Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Inovações e sustentabilidade na área da saúde


postado em 17/10/2019 04:00

Henrique Moraes Salvador Silva
Presidente da Rede Mater Dei

O mundo passa por mudanças velozes e transformadoras nunca antes experimentadas. Isso se dá devido ao acesso rápido e fácil à informação, à produção acelerada do conhecimento e à tecnologia. E na área da saúde não poderia ser diferente. De uma maneira geral, os países estão presenciando uma mudança epidemiológica importante. As pessoas vivem mais e, com isso, aumenta o número de cidadãos portadores de doenças crônicas que necessitam de mais cuidados de saúde, demandando uma melhor estruturação dos serviços ofertados.

No Brasil, nos deparamos com uma situação ainda mais complexa, já que ainda somos vítimas de doenças infectocontagiosas já erradicadas em outras localidades. O reaparecimento de formas graves e epidêmicas da tuberculose, da sífilis e do sarampo e as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti são alguns exemplos dos desafios que ora enfrentamos. O nosso país apresenta, ainda, índices elevados de problemas relacionados a causas externas, tais como violência urbana e acidentes de trânsito.

Tudo isso faz com que a gestão da saúde dos brasileiros seja um desafio contínuo e crescente que requer a mobilização, cada vez maior, de recursos financeiros para suportar a demanda gerada a partir das necessidades da nossa po- pulação. O Brasil gasta mais de 9% do PIB com saúde e esse investimento só tende a ser maior nos próximos anos. Certamente, esse também é um desafio para os demais países. Estive visitando alguns dos mais renomados hospitais e centros de saúde da América do Norte e da Europa. Países como os Estados Unidos e Holanda, que investem atualmente, respectivamente, 11% e 18% do seu PIB em saúde, e que têm se preocupado em adotar medidas para conter essa escalada desenfreada.

As instituições de saúde têm de enfrentar o desafio de encontrar cada vez mais meios para garantir o acesso das pessoas a uma prestação de serviços de saúde efetiva, mas também sustentável e alinhada às melhores práticas disponíveis no mundo. A Rede Mater Dei está acompanhando as mudanças e transformações necessárias para atender, cada vez mais, nossos diversos públicos da melhor maneira possível e em concordância com as melhores práticas.

Estamos investindo em ações que promovem uma melhor organização dos serviços prestados. Outras que propiciam maior interação em tempo real entre o médico e a equipe de saúde e algumas que possibilitam ao paciente ter acesso a informações sobre a sua internação e sobre a equipe que o está atendendo. São exemplos,      respectivamente, a Saúde Corporativa Mater Dei, o aplicativo médico desenvolvido em parceria com a MV Sistemas, e o Painel do Paciente, desenvolvido pela nossa equipe de TI.

Essas iniciativas são possíveis graças ao investimento constante em inovação. Além da cultura que permeia os diversos departamentos, criamos, há dois anos, o Inovater, uma célula de     inovação multiprofissional que busca aprimorar a nossa eficiência operacional e incorporar em nossa atuação o que há de mais moderno no mundo. Esse trabalho, muitas vezes, tem sido desenvolvido em parceria com outras entidades e a nossa associação ao Orbi Conecta, uma acele- radora de inovação, é o maior exemplo.

A saúde é o nosso maior patrimônio. É importante que cada um de nós adote práticas saudáveis e um estilo de vida que proporcione uma vida mais longeva, mas com melhor qualidade. E, também, que os hospitais e as estruturas responsáveis por cuidar da saúde das pessoas evoluam e estejam atentos e oferecer para as pessoas as melhores alternativas de diagnóstico, te- rapêutica e monitoramento de suas enfermidades.


Publicidade