Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

A tecnologia aumenta a produtividade

O entendimento pleno do ser humano pode ser responsável por promover a próxima grande revolução no trabalho


postado em 18/09/2019 04:00







Diego Figueredo
CEO da Nexo AI



As videolocadoras foram bruscamente substituídas pelas redes de streaming; não é difícil imaginar um futuro em que o ato de dirigir será apenas hobby, e não uma atividade remunerada; e cobradores de ônibus já são figuras cada vez mais raras na rotina da população. Já está claro que algumas profissões vão desaparecer com o avanço da tecnologia. Porém, apesar do que muitos imaginam, esse movimento de mudança tem tudo para ser mais benéfico do que devastador.

Estudo divulgado pela consultoria Deloitte em 2015 mostrou que no último século, em vez de reduzir vagas, a revolução tecnológica contribuiu para a geração de novos postos de trabalho. Isso prova que a democratização do acesso à informação, a globalização, o aprimoramento da comunicação e outros avanços científicos estão contribuindo para o aumento da produtividade e da oferta de oportunidades.

Com o avanço da inteligência artificial e do aumento progressivo da capacidade computacional, em breve o mundo será completamente diferente. Ao mesmo tempo em que essa trilha é percorrida, as relações de trabalho também são vigorosamente alteradas e um dos mais notórios efeitos dessa revolução já pode ser visto no mercado de recursos humanos.

Desde o uso de inteligência artificial para promover a combinação entre possíveis colaboradores e a cultura empresarial da companhia, até a criação de estratégias digitais para vagas específicas, o setor está passando por mudanças estruturais, complexas e determinantes. Um dos pontos que evidenciam isso é o retorno do protagonismo dos – até pouco tempo atrás, ultrapassados – testes de personalidade.

O fator comportamental é um aspecto que costuma permanecer oculto nas entrevistas de emprego, mas são determinantes para a contratação e um dos grandes responsáveis pela rotatividade de colaboradores que não se encaixam na cultura da empresa. Com a chegada do big data e inteligência artificial, os testes que avaliam soft skills estão voltando para se tornar protagonistas do setor.

E ao unir metodologia, conhecimento de mercado e tecnologia, as ferramentas que analisam as habilidades comportamentais de forma assertiva vão encurtar o processo de contratação, capacitação e efetivação de novos colaboradores. O entendimento pleno do ser humano pode ser responsável por promover a próxima grande revolução no trabalho.


Publicidade