Publicidade

Estado de Minas

Infertilidade masculina e suas causas

A infertilidade masculina tem tratamento na maior parte das vezes


postado em 27/07/2019 04:13



As mudanças comportamentais da sociedade têm levado os homens a planejar a paternidade e a participação ativa na educação dos filhos, desmistificando a ideia de que o sonho de ter filhos é restrito ao universo feminino. Entretanto, atualmente, muitos se deparam com o entrave da infertilidade e a causa deve ser investigada.

Alguns estudos mundiais revelam que, em média, 15% dos casais têm dificuldades para engravidar e, ao contrário do que se pensa, a infertilidade não é "culpa" apenas delas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) apresenta dados apontando os homens como responsáveis em 40% dos casos, assim como elas também, 40%, sendo que os outros 10% são atribuídos ao casal e 10% não têm uma causa definida.

A infertilidade masculina pode ser gerada por uma única doença, porém, é muito comum observar diferentes fatores que, quando associados, provocam uma redução considerável do potencial fértil.

Pesquisa recente de cientistas do Reino Unido apontou mais uma causa para o problema: o uso de esteroides anabolizantes e de medicamentos para queda de cabelos. A pesquisa Paradoxo de Mossman-Pacey revelou que cerca de 90% dos homens que fazem uso dessas substâncias para se tornar mais atraentes não apresentaram espermatozoides na ejaculação.

Vale lembrar, ainda, que outras doenças também podem causar infertilidade masculina, como a caxumba e o câncer de próstata. A caxumba é outra doença causadora da infertilidade e que pode ser evitada com a vacina tríplice viral, inclusive disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). Mesmo sendo uma patologia evitável, Minas Gerais apresentou aumento considerável dos casos em 2019. Para se ter uma ideia, até março deste ano, 813 ocorrências já haviam sido registadas no estado. De 2015 a 2018, o número de diagnósticos passou de 1.371 para 4.166, representando um aumento de 304%. A vacinação é importante, não só para prevenir uma doença, mas a possível esterilidade, pois estima-se que metade das crianças do sexo masculino, acometidas pela patologia e que tiveram inchaço testicular, ficou estéril. 

Já o câncer de próstata é a doença que mais acomete homens, ficando atrás do câncer de pele não melanoma. Os dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) estimam 68.220 novos diagnósticos da doença para este ano. A situação pode tornar o homem infértil em decorrência da diminuição na produção e qualidade do líquido produzido pela próstata, principalmente, pela presença de muitos radicais livres, substâncias danosas às células, dificultando a reprodução.

O tratamento para o câncer com a quimioterapia também compromete a qualidade dos espermatozoides e pode deixar o homem permanentemente infértil. A recomendação é o congelamento dos espermatozoides antes do início do processo, sendo indicado para preservar o material genético de boa qualidade.

A infertilidade masculina tem tratamento na maior parte das vezes e o procedimento proposto depende do histórico e do perfil de cada um. O importante é manter os exames em dia e atenção com qualquer situação anormal.  A medicina está em constante evolução, apresentando novas e avançadas técnicas para ajudar na realização do sonho de ser pai.



Publicidade