Publicidade

Estado de Minas

Transporte responsável


postado em 24/07/2019 04:08

A possibilidade de uma nova greve dos caminhoneiros voltou a assombrar o país no início da semana, quando um grupo desses profissionais resolveu se mobilizar contra a tabela de frete mínimo. Ainda está na memória de todos os brasileiros o sofrimento imposto pela paralisação do transporte rodoviário em maio do ano passado, ocasião em o Brasil praticamente parou. Alimentos se deterioraram nos caminhões frigoríficos estacionados nos acostamentos, medicamentos se perderam, produtores rurais e indústrias ficaram sem os insumos necessários à produção e a economia experimentou um mês de verdadeiro caos.

Desta vez, o governo agiu imediatamente e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) decidiu, por unanimidade, suspender o frete mínimo e abriu um canal de negociação com a categoria, que tem sob seu controle o transporte rodoviário de praticamente toda a carga do país. O ministro da Infraestrutura, Tarcício Freitas, prontamente veio a público para garantir que o diálogo segue sendo o principal caminho para a busca do consenso no setor do transporte de cargas.

A suspensão da tabela se deu depois que se espalharam notícias, através das redes sociais, de que movimentos paredistas estavam prestes a eclodir devido à insatisfação com o frete mínimo, de parcela significativa de caminhoneiros. Eles chegaram a fazer mobilizações em Minas Gerais, Pernambuco e Ceará, quando motoristas foram parados para aderir ao movimento. Mas, ao contrário do ocorrido em 2018, não houve violência, as pistas de rolamento não foram interditadas e os carros de passeio transitaram normalmente, o que demonstra a disposição da categoria em conduzir as negociações de forma responsável. Sabem que a população não suportaria a repetição dos transtornos causados pelo desabastecimento generalizado na greve passada.

Na avaliação da própria diretoria da ANTT, os termos da resolução que instituiu a nova tabela de frete mínimo geram dúvida quanto à definição do preço do frete e também não consideram o valor do pedágio na hora de dar preço às viagens. Diante do impasse com a categoria, voltou a valer a norma anterior, de maio de 2018, época do encerramento da paralisação que travou o transporte no país.

Na nova rodada de negociação agendada para hoje, representantes dos caminhoneiros devem voltar a reclamar do valor mínimo definido pela agência reguladora, juntamente com o grupo de pesquisa e extensão em logística agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo. A ANTT alega que a nova tabela, a que foi suspensa, é resultado de audiência pública com a participação de transportadores autônomos, empresas e cooperativas de transporte, contratantes de frete, embarcadores e diversos outros setores da sociedade.

Hoje, há muita queixa entre os caminhoneiros de que o setor está parado e que a quebradeira é geral. Motivo maior para se descartar uma greve agora, quando a economia brasileira continua patinando. Uma nova paralisação, na atual conjuntura, causará dano irreparável à Nação. Sobretudo quando a safra histórica de mais de 240 milhões de toneladas de grãos está sendo colhida e grande parte dessa produção destina-se a portos distantes.


Publicidade