Publicidade

Estado de Minas

Expansão do mercado de arte contemporânea


postado em 20/07/2019 04:13

O mercado de arte contemporânea brasileiro ainda é jovem, mas já é conhecido pelo dinamismo e processo de expansão e internacionalização. Conforme relatório anual da Artprice, líder mundial de bancos de dados sobre índices de cotização da arte, houve um aumento no mercado de arte contemporânea de 19%, entre julho de 2017 e junho de 2018, movimentando até US$ 1,8 bilhão no mundo. Os preços da arte contemporânea aumentaram 18,5%. Os artistas contemporâneos costumam abordar assuntos relevantes para a sociedade em seus trabalhos, explicando o sucesso da arte contemporânea, segundo o documento.

A partir dos anos 90, com a abertura dos mercados internacionais para a arte periférica, que é o caso brasileiro, observa-se o crescimento do setor. As galerias se profissionalizam, passando a agenciar a carreira do artista, fomentando, assim, a valorização simbólica e econômica. O artista brasileiro demonstra muita liberdade para atuação na arte, sem estar preso, diretamente, a compromissos políticos e/ou religiosos, mas atento ao que está acontecendo. A autonomia gera mais inovação e liberdade. Cada dia mais podem-se observar projetos artísticos desenvolvidos dentro de instituições, espaços independentes e das galerias, e esses projetos acabam, de uma certa forma, por aproximar o público, conquistar mais admiradores e aumentar a comercialização das obras. 

 Os colecionadores internacionais estão sendo conquistados pelo mercado brasileiro de arte contemporânea, sendo que 88% dos que participaram da pesquisa destacam a qualidade da produção como um dos pontos fortes do artista e 55% citam que a forte e sofisticada base de colecionadores brasileiros é mais um fator relevante do setor. Outro aspecto que atrai público é a recém-comercialização de obras mais baratas, atingindo uma nova geração de colecionadores estrangeiros e, também, brasileiros. 

 As vendas para o mercado nacional ainda são maiores,  mas a internacionalização já apresenta uma significativa expansão. Nos últimos anos, ocorreu um aumento da diversificação de destinos para as obras comercializadas, quando o número chegou a quase 30 países, com destaque para Estados Unidos, Reino Unido, França e Suíça. Entre as galerias pesquisadas, 61% afirmaram ter um planejamento nítido, explícito e institucional para a internacionalização, tornando-se fator importante para a captação de apreciadores estrangeiros e aumentando as negociações internacionais.

 No mercado brasileiro, a arte também se expande e eleva o número de comercialização das obras. As negociações das obras de arte são feitas em maior número dentro das galerias, representando 58% das transações. As feiras também são excelentes espaços e aparecem em 2º lugar, com 40% das vendas. Entre as galerias entrevistadas, 32% informaram ter tido até 50 clientes no ano de 2015; 28,57% afirmaram ter de 51 a 100 clientes; enquanto 17,85% registraram de 101 a 150 clientes e 10,71% de 151 a 200. 

Mesmo com o desaquecimento econômico brasileiro e os diversos problemas decorrentes, o mercado de arte contemporânea apresenta crescimento e segue se fortalecendo com novos artistas no mercado nacional e internacional.


Publicidade