Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Acordo comercial e desmatamento

O festejado pacto com os países do Velho Continente pode tornar-se uma vitória de Pirro


postado em 06/07/2019 04:05


 


A revelação do crescimento de 60% no desmatamento da floresta amazônica em junho, em comparação com o mesmo período do ano passado, pegou de surpresa as autoridades brasileiras. Isso porque países da União Europeia (UE) ameaçam se opor ao acordo comercial firmado, recentemente, pelo bloco europeu e o Mercosul, o que já está sendo considerado como a maior realização do governo do presidente Jair Bolsonaro. Os europeus condicionaram a ratificação do pacto de trocas comerciais ao cumprimento de acordos internacionais de preservação do meio ambiente, como o Acordo de Paris, assinado em 2015, quando o Brasil se comprometeu a zerar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.

O festejado pacto com os países do Velho Continente pode tornar-se uma vitória de Pirro caso se confirme a expectativa de que a destruição da floresta amazônica aumentará nos próximos meses. O período seco na região se aproxima, e é justamente nessa época que se intensifica a exploração madeireira. Caso as previsões se confirmem, os ambientalistas da Europa terão poderosa arma para contestar o acordo entre o Mercosul e a UE, pois há uma cláusula que veta a comercialização de produtos originários de áreas desmatadas. Não se pode esquecer que a representação dos verdes no Parlamento Europeu cresceu, e é lá que o pacto entre os dois blocos comerciais deve ser contestado com mais veemência.

Contra os números não há argumentos. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a floresta perdeu, no mês passado, 762,3 km² de mata nativa, o equivalente a duas vezes a área de Belo Horizonte. Em junho de 2018, a destruição atingiu a marca dos 488,4 km². Ambientalistas alertam que o desmatamento pode ser maior ainda, já que o monitoramento detecta apenas grandes áreas e as não ocultas pelas nuvens. Mesmo assim, o levantamento do Inpe é considerado importante ferramenta para a fiscalização.

Os dados referem-se a desmatamentos com solo exposto, com vegetação remanescente e devastação causada pela mineração. Especialistas alertam que a tendência é de crescimento dessas áreas, sobretudo por causa do discurso oficial de combate à "indústria da multa" e contrário à destruição, pelos fiscais dos organismos ambientais governamentais, de equipamentos de desmatadores apreendidos nas operações de fiscalização. Na visão dos ambientalistas, isso acaba estimulando a ação de madeireiras ilegais.

Se realmente acontecer, entre alguns países europeus, oposição sistemática ao acordo por causa de questões ambientais, o Palácio do Planalto deveria mudar seu discurso e fechar o cerco às atividades dos devastadores. O primeiro alerta já foi dado: os governos da Alemanha e da Noruega, países financiadores do Fundo Amazônia – iniciativa voltada para a proteção do bioma –, paralisaram o repasse de recursos. Inegável que a assinatura do acordo entre a UE e o Mercosul é um enorme avanço e grande ganho para o Brasil. No entanto, o incremento do desmatamento da Amazônia não pode virar instrumento de pressão para emperrar a ratificação desse vital pacto comercial.





Frases

”Estou muito bem com o GSI, do general Heleno, me sinto muito seguro e tranquilo”

. Jair Bolsonaro, presidente da República, ao dizer sentir-se seguro com o serviço prestado pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, comandado pelo general Augusto Heleno
 
“Divulgação distorcida e sensacionalista de supostas mensagens obtidas por meios criminosos”

.Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública, ao rebater a nova leva de supostas conversas envolvendo seu nome e o de pessoas relacionadas à Operação Lava-Jato 


Publicidade