Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A indústria, desafio que se renova


postado em 04/07/2019 04:05

A indústria brasileira é atravancada por uma longa lista de problemas. Da carência de infraestrutura à base tecnológica defasada; da elevada carga tributária à falta de produtividade e à mão de obra deficiente. Manter uma indústria no Brasil é um desafio que se renova a cada dia.

Um real valorizado e uma das taxas de juros mais altas do mundo completam o cenário do chamado custo Brasil, que sufoca as empresas e sobretudo as indústrias, dificultando o acesso tanto ao mercado interno quanto às exportações. Não deveria ser assim em um país onde a indústria como um todo representa 22% do Produto Interno Bruto (PIB) e tem 20% de participação no emprego formal, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Mesmo diante desse cenário de pesadelo econômico, apostamos que é possível crescer. O segredo é um mix de visão de oportunidade, crescimento orgânico e investimento bem canalizado em tecnologia, além de planejamento e organização. Vimos uma oportunidade no setor de vestuário de cultura pop e geek, e apesar das previsões modestas para o Brasil, projetamos um aumento de 20% no faturamento este ano.

Para quem trabalha com o público geek, o momento é bom, mas o crescimento só é possível porque fizemos a lição de casa. Começamos nossa empresa com um investimento de apenas R$ 5 mil e 10 anos de vivência e conhecimento do mercado permitiram antecipar uma tendência e visualizar o nicho que desenvolveríamos com sucesso.

O lucro foi sendo reinvestido em produção, com uma preocupação que dribla outro grave problema da indústria brasileira: a carência de linhas de crédito acessíveis e desburocratizadas. Crescemos com zero dívidas. Desde o começo, optamos por não fazer empréstimos e reinvestir no nosso próprio crescimento.

Quando passamos a ter alto volume de vendas, pudemos atender às exigências e dar um salto indispensável na nossa trajetória de sucesso: trabalhar com licenciamento. Nosso primeiro licenciamento foi em 2013 e trouxe 30% de aumento nas vendas. Ano passado, a Piticas construiu uma fábrica de 11 mil metros quadrados. Investimos em meio à crise, pois sem produto nada funciona. Começa tudo na fábrica.

Nossa opção desafia o senso comum do mercado. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), a roupa brasileira custa 30% a mais do que no exterior. Mas acreditamos que com inteligência e tecnologia, investir na indústria nacional pode ser competitivo. Uma de nossas prioridades foi garantir automação e premiação da equipe. Isso permite absoluto controle de todos os processos, desde a produção dos tecidos até a administração das franquias, mantendo o custo de produção mais vantajoso do que importar da China – outro fantasma que ronda a indústria brasileira.

Confiando em produtos com valor agregado, e atuando em mercado de nicho, porém em franca expansão, com uma gestão meticulosa, é possível crescer. Investir em indústria é um grande desafio, mas vale a pena apostar nele.


Publicidade