Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 29/06/2019 04:08

Cartas à redação
 
PERENIZAR
Depois de Cristo, 
só Sérgio Moro 

Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha –ES 

"Sérgio Moro é do bem. Graças a ele, malandros coroados, até então impunes e certos de que, historicamente, jamais seriam 
apenados, estão atrás das grades. Suportou durante nove horas  questionamentos agressivos de alguns dos senadores mais 
ferrenhos defensores dos envolvidos em corrupção, além de adeptos do 'quanto pior melhor'. Moro se saiu  bem, respondeu com segurança a todas as perguntas, mostrou desapego ao cargo de ministro e saiu mais fortalecido perante a opinião pública. Graças a Moro, muitos graúdos foram presos e muitos ainda serão. Plagiando os livros de história, a.C. (antes de Cristo) e d.C., (depois de Cristo), atrevo-me, quanto ao combate à endêmica corrupção no Brasil, perenizar o a.M. (antes de Moro) e o d.M. (depois de Moro)."

REDE SOCIAL
Cidadão revoltado 
com o Facebook

Antonio Jose Gomes Marques
Rio de Janeiro

"Mais uma grande novidade da internet. O Facebook é petista. É só escrever algo, mesmo com educação e respeito, contra o PT que eles te detonam e bloqueiam. Mais uma prova do envolvimento desse partido como massa de influência na mídia brasileira. E, pior, dizem que os outros é que fazem esse tipo de coisa. O Facebook é uma vergonha. Toma partido e ainda usa esse poder para privilegiar uma bandeira claramente corrupta e responsável pelo que aconteceu nos últimos anos no Brasil. Facebook, vocês são uma vergonha."

LEGADO
Relação dos Correios 
com a antiga Roma

Hernani José de Castro 
São Gonçalo do Rio Abaixo-MG  

"Esses entreveros em que o centro perseguido é o atual governo nos remontam ao antigo Império Romano, em que os imperadores se 
vangloriavam quando os leões famintos estraçalhavam corpos de 
cristãos. Na época, os cristãos, num trabalho insano junto à população explorada, e, portanto, carente, às escuras, tentava melhorar as condições do povo. A situação ficou tão obscura que Nero, portador de encefalite letárgica, só encontrou um jeito: incendiar Roma. Assim, estamos vivendo aquela trágica época com as promessas do capitão reformadodo Exército Jair Bolsonaro. Tendo em sua volta indivíduos com a mesma intenção e sem passado obscuro, cada um com ideias diferentes, mas trabalhando no sentido de melhorar, transformam algumas delas em litígios. Como agora, com a demissão do general da reserva à frente dos Correios. Isso não acontecia com as nomeações dos governos anteriores porque a maioria 'jogava' do mesmo lado. Sendo assim, não havia implicância entre eles e este é o legado que o Brasil está pagando."


REFORMA
Executivo tem de
melhorar postura

Elias Menezes
Belo Horizonte

"A magnitude dos problemas econômicos e sociais brasileiros, em contraste à postura 'lavo as mãos' do governo Bolsonaro, parece indicar ser uma espécie de parlamentarismo branco a saída institucional menos dramática para o país. Conforme dita a velha máxima de que na política não há vácuo, os atores tupiniquins começam a ocupar os espaços vazios. Estudo publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que quase um quarto dos domicílios brasileiros não tem renda do trabalho. Está aí, no desemprego de mais de 13 milhões de brasileiros, o caráter emergencial da aprovação da reforma da Previdência. Em tese, pois nem o mais dramático dos indicadores econômicos parece ser capaz de sensibilizar a atuação do governo junto ao Congresso Nacional. Se, por um lado, o Executivo não patrocina sequer as próprias pautas reformistas, o Legislativo tem assumido o protagonismo na tentativa de contornar a crise econômica que se arrasta desde 2014, como demonstra a disposição de lideranças da Câmara em acelerar a discussão da proposta de reforma tributária. Bolsonaro e asseclas deveriam rever seu tom agressivo aos parlamentares, pois, senão pelo parlamentarismo branco, a outra saída para a crise institucional que vem se instaurando a cada dia será a mesma experimentada por Collor e Dilma."


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade