Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Vergonha, vergonha, sem-vergonhas!


postado em 22/04/2019 05:07

Que vergonha! O Supremo Tribunal Federal, que deveria ser guardião da Constituição, joga na lata do lixo mais sujo que poderia encontrar cláusula considerada pétrea do nosso texto constitucional. Aquele que garante e assegura a livre manifestação do pensamento e a liberdade de imprensa. O ministro Alexandre de Moraes, em evidente conluio com o presidente daquela hoje tão desmoralizada corte de justiça, sr. Dias Tofolli, ressuscitou a censura, marca dos regimes ditatoriais, ao determinar a uma revista digital, a Crusoé, a exclusão de reportagem por ela divulgada. Reportagem reveladora de prática de atos ilegais e desonestos que teriam sido praticados por Tofolli quando ainda não tinha sido nomeado por Lula para o STF. Revelando, ainda, seu codinome, “amigo do amigo do meu pai”, no mundo da corrupção da Odebrecht. Determinou, ainda, o bloqueio de mensagens a respeito nas redes sociais.

O que envergonha ainda mais é o silêncio da maioria dos ministros, menos Marco Aurélio de Mello, em face da decisão absurda, maluca, contrária a norma constitucional, diria sagrada. Ficaram calados, tacitamente concordando e referendando o ato. Até o momento em que escrevo, começo do feriado da Semana Santa, só Marco Aurélio, que se redime assim de erros passados, declarou sua discordância. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também se posicionou contra a censura, pedindo o arquivamento do processo aberto. Arquivamento indeferido por Alexandre de Moraes, designado relator por Tofolli, exatamente o beneficiário da decisão.

De um tribunal que merece ser, e já foi, respeitado por todos os brasileiros, e que hoje se desmoraliza e se desacredita a cada dia mais, o que aconteceu na semana passada já não deve surpreender. Procuro acreditar que nem todos os que o compõem, se falassem, não concordariam com a censura estabelecida pela dupla sinistra Moraes & Tofolli. Mas eles não falam. Por comodismo, por companheirismo moralmente doentio, por covardia. Soterrando o pouquíssimo que lhes resta de credibilidade e honradez no lamaçal poluído e desagradável para o olfato das pessoas de bem. Que tragédia!

A nova defesa

Agora, senhores homicidas, assaltantes a mão armada, assassinos de toda e qualquer espécie, motoristas embriagados e irresponsáveis, agora ficou muito fácil escapar da condenação e prisão. Basta fazer como Adélio Bispo, o esfaqueador que tentou matar o então candidato Jair Bolsonaro, fez. Simples e fácil: fazer cara de idiota, boca aberta, se possível, com alguma baba nos cantos, e usar frases desconexas, sem sentido, grunhindo...

Advogados sabidos e médicos trouxas colaboram na montagem da cena grotesca. E juízes desatentos, ou bonzinhos exagerados, acolhem o teatro mambembe sob o argumento de incapacidade mental, decretando a impunidade do ator-criminoso. A coisa cresceu tanto que ganhou versão extra em acidentes de trânsito com mortos e feridos: o motorista causador foi vítima de “um surto”.

Ocupação

Confirmada a informação que foi acolhida neste espaço na segunda-feira passada, a de que a cúpula petista ordenara a ocupação por correligionários ou por “laranjas” simpatizantes do maior número possível de presidências de associações, entidades de classe, centros culturais, estudantis, academias de letras e de ciências, e por aí vai. Não satisfeitos, inventaram de dominar grupos religiosos. Na semana passada foi a vez de uma igreja evangélica. A tomada, digamos assim, foi documentada ao vivo por emissoras de tv. A festa foi comandada pela presidente petista Gleisi Hoffmann. Dirceu quer criar um governo paralelo e aumentar o coro nas manifestações contra o governo.


Publicidade