Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 20/04/2019 05:05




cartas:




STF
Censura à imprensa
‘cheira’ muito mal

Túllio Marco Soares Carvalho
Belo Horizonte

“A virulência do ministro Alexandre de Moraes, acionado por seu colega José Dias Toffoli, ao promover censura contra a revista Crusoé e o site O Antagonista foi uma tentativa desesperada de disfarçar mau cheiro com catinga. No final das contas tudo está fedendo ainda mais.”


Família
A difícil arte de educar filhos

Gilson E. Fonseca
Belo Horizonte

“Milan Kundera no seu famoso livro A insustentável leveza do ser diz que ‘a vida não nos dá oportunidade de comparação’. Realmente, quanta gente se acha feliz por ser solteiro, mas poderia ser muito mais feliz casado? Não há como comparar, pois não é possível ser casado e solteiro ao mesmo tempo. Entretanto, como avô de quatro netos, é natural que eu faça comparação da educação que recebi dos meus pais com aquela que dei a meus filhos e a que eles estão dando aos meus netos. Como as mudanças sociológicas, nos últimos anos, foram grandes, a comparação sobre cada uma dessas três gerações caminha para uma dicotomia. Quando criança, sem televisão e internet, a maior preocupação dos meus pais era com quem eu e meus irmãos andávamos, a vigilância era uma constante. Cansei de ouvir deles a frase de Cervantes: ‘Diz-me com quem andas que eu te direi quem és’. A educação, especialmente a interiorana, onde a maioria se conhecia, era baseada no exemplo, na religião e respeito multilateral. Como a maioria tinha muitos filhos, as professoras sentiam-se na obrigação em complementar a educação, movidas pelo alto nível de idealismo. Seus olhares não se desviavam daqueles alunos que os pais deixavam a desejar, sem dar conta de educá-los plenamente. A minha geração teve menos dificuldades para orientar os filhos, porque ainda restaram as chamas dos princípios básicos de respeito, moral e ética da geração anterior. E a política não havia contaminado tanto os melhores ensinamentos. No Empire State, em Nova York, havia um grande painel que dizia: ‘Dez mandamentos para tornar seu filho um delinquente. O primeiro é faça-lhe todos os gostos. Segundo, ignore com quem ele anda…’. A nova geração está preocupadíssima com a educação dos filhos. O Brasil passa por uma doença moral jamais imaginada, a violência urbana é uma triste realidade e o nível do ensino despencou. Além de a internet ser um tormento para a maioria das pessoas, porque não há como controlar o risco da influência de más intenções e informações negativas de toda a ordem pela web, inclusive pornografia explícita. Só enxergo uma saída para correr menos riscos, que é acompanhar seus passos, demonstrar amor e proporcionar a eles ensinamentos transcendentes. Hoje é raro as famílias cultivarem o contato direto, como fazia minha mãe. Depois de rezar com a prole, ela contava historinhas todas as noites. Agora, cada criança tem tablet e celular, para os períodos  de folga e seus heróis são os guerreiros, os brigões. As ‘historinhas’ humanas foram perdidas no tempo. As crianças dependentes de eletrônicos não soltam pipas, não jogam bolinhas de gude e nem sobem em árvores. Uma pena.”

 

LUCRO
Terrorismo do capital
sobre o trabalho

Antonio Negrão de Sá
Rio de Janeiro

“O mundo, especialmente no Brasil, vive um terrorismo do capital sobre o trabalho. Uma etapa de desespero, de ganância extremada por lucros fabulosos e exorbitantes               por uma minoria cada vez mais acentuada. Onde vai dar isso? Ninguém tem a menor ideia. Querem aniquilar o Estado e fortalecer a iniciativa privada , no caso, o mercado financeiro. Retiram receitas oriundas do capital, do patrão e culpam a despesa, principalmente com o trabalho, tanto do servidor público, quanto do privado. A meta é exterminar, tirando emprego e salário.”



intenet


Este local deveria minimizar as cheias em BH, mas virou ponto de ‘descarte de tudo’

“Enquanto não houver consciência de que somos uma sociedade, nada mudará.”
. Sebastião Nogueira

“Não tem prefeito por mais competente que possa ser que consiga resolver os problemas de uma população sem consciência ambiental. Jogar lixo em locais incorretos para o descarte causa sérios problemas pra própria população local, que depois reclama com o poder publico. É claro que existem formas de o poder público melhorar as condições locais, mas a população tem que fazer sua parte também.”
. Lukas

l Água parada e mosquitos motivam ação contra dengue no Mineirinho antes de final do vôlei

“Triste só fazerem essa ação agora, depois se esquecem do local novamente, e o mosquito faz a festa.”
. Yannis S. Sanabio

Este local deveria minimizar as cheias em BH, mas virou ponto de ‘descarte de tudo’

“Se o sujeito vende balas no sinal de trânsito, a prefeitura vai lá e toma as balas. Mas o sujeito cria porcos em local público, incomoda, prejudica e coloca em risco a saúde da população, e a prefeitura não recolhe os porcos. Tem algo muito errado em Belo Horizonte.”
. Syllas Valadão

Mais doentes e menos médicos: o avanço da dengue e as baixas nas equipes de saúde

“É, mas o novo governo disse que ia melhorar e nada. A saúde, o saneamento básico e a educação estão cada vez piores.”
. Junia Solares

“Vamos fazer a nossa parte primeiro, gente! Eliminar água parada, limpar nosso quintal! O estado está quebrado, não é nossa culpa, mas vamos ficar de braços cruzados?”
. Harolso Vieira

Mais doentes e menos médicos: o avanço da dengue e as baixas nas equipes de saúde

“Será que o problema é mesmo a falta de médicos ou o péssimo planejamento do atendimento público de saúde?”
. Rafa Nunes Campos


Publicidade