Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Santa receita: a tradição do bacalhau

Além de cair no gosto do povo, durante muitos anos a iguaria foi um alimento barato


postado em 19/04/2019 05:06





Muito embora os escandinavos sejam apontados, na história, como pioneiros no preparo do bacalhau – há registros do século 9 sobre seu consumo na Islândia e na Noruega –, é inegável que sua popularização seja de origem lusitana. “Devemos aos portugueses o reconhecimento por terem sido os primeiros a introduzir, na alimentação, o precioso bacalhau, universalmente conhecido e apreciado”, diz o chef de cuisine francês, Auguste Escoffier.

Ainda na Idade Média, quando os povos cristãos eram obrigados a excluir carnes “quentes” em seus dias de jejum, o bacalhau, que era classificado como alimento “frio”, tinha seu consumo estimulado pelos comerciantes. Por isso, ganhou força entre religiosos e portugueses, tornando-se uma tradição católica, principalmente durante a Páscoa, período que marca a ressurreição de Cristo. Sua disseminação, entretanto, ocorreu apenas no século 15, quando, durante as grandes navegações, era preciso encontrar alimentos que pudessem ser preservados por dezenas de dias – a iguaria era facilmente salgada e seca, o que garantia sua conservação, mantendo nutrientes e apurando o sabor.

Anos mais tarde, já popularizado, o bacalhau continuou sendo uma tradição nos países de língua portuguesa. No Brasil, por exemplo, o hábito de comer bacalhau data da época da vinda dos europeus. Mas foi com a chegada da corte, no início do século 19, que o costume começou a se difundir. Nesse período, ocorreu a primeira exportação oficial de bacalhau da Noruega para cá, em 1843.

Além de cair no gosto do povo, durante muitos anos a iguaria foi um alimento barato, sempre presente nas mesas, em especial, às sextas-feiras, dias santos e festas familiares. Mas, posteriormente à Segunda Guerra Mundial, com a falta de alimentos em toda a Europa, o preço do pescado aumentou, restringindo seu consumo às classes mais privilegiadas. Com isso, ao passar do tempo, o consumo popular se restringiu, principalmente, nos períodos de festas cristãs.

Vale uma curiosidade: muita gente não sabe, mas não estamos falando apenas de um peixe. São cinco as espécies marinhas que podem ser vendidas com a denominação. Sendo que o chamado “bacalhau legítimo”, considerado o melhor de todos, se chama peixe gadus morhua. A espécie também é conhecido como cod ou bacalhau do Porto, referência à cidade portuguesa, importante centro de comércio do peixe seco e salgado que chega do Atlântico Norte, em especial da Noruega.

Atualmente, o artigo está totalmente incorporado à cultura culinária brasileira. Diversos restaurantes oferecem em seu cardápio pratos preparados à base do pescado, como o famoso bolinho de bacalhau, que é escolha frequente nos bares e botequins. Pois bem, seja qual for o formato, é unânime concluirmos que a ponte Portugal-Brasil vai muito além dos livros de história – e a gastronomia agradece!



Publicidade