Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Desafios da formação do professor

Em 2018, apenas 29% dos docentes consultados indicaram ter preparo adequado para enfrentar a profissão quando ingressaram em sala de aula


postado em 17/04/2019 05:04



O que fazer com uma profissão na qual seus profissionais não recomendam a sua própria atividade? E que caminho tomar, frente a um cenário de desafios, para que aqueles que escolhem a docência possam ser valorizados e ter segurança na carreira?

Pois bem, não é de hoje que a "profissão professor" é debatida. Atualmente, são mais de 2,5 milhões de professores e 78% têm curso superior completo. A maior parte desses docentes está concentrada na educação básica, tendo as mulheres como maioria, com média de 35 anos de idade.

Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Todos pela Educação, em 2018, apenas 29% dos docentes consultados indicaram ter preparo adequado para enfrentar a profissão quando ingressaram em sala de aula. Ainda, pela pesquisa, fica evidente a necessidade de aprimoramento de conhecimento sobre didáticas específicas das disciplinas, conhecimento prático e fundamentos e métodos de alfabetização, demonstrando a necessidade de revisar os currículos dos cursos de pedagogia e de licenciaturas para formar profissionais mais preparados e conectados com a atualidade.

A educação básica tem tomado grande parte do debate público e das políticas que atuaram na revisão e na proposta de novas bases, tanto para o ensino fundamental como para o ensino médio. Acompanhando esse movimento, o Ministério da Educação trabalha com medidas que indicam uma nova fase para a formação de professores no país.

Uma base comum foi apresentada focada em três eixos: conhecimento, prática e engajamento. Esses pontos têm por objetivo nortear a formação docente, sobretudo indicando caminhos em que a qualidade da formação e a valorização profissional sejam prioridades. Além desses pontos, a proposta indica mudanças no tempo de formação inicial para o curso de pedagogia: dois anos de formação comum, um ano de aprofundamento em cada etapa da educação em que o professor queira se dedicar e outro para assuntos relacionados à gestão escolar.

Tais mudanças podem estimular tanto o professor quanto o aluno. Ao focar novas práticas, novas metodologias e experimentações bem-sucedidas, o potencial inovador dos novos currículos pode garantir professores mais conectados com a prática docente e alunos mais interessados, tornando a sala de aula mais atrativa para todos.

Para que essas propostas possam avançar, são necessários o alinhamento e a articulação entre os setores público e privado, pois esta política tem potencial transformador e é indispensável que as instituições de ensino estejam comprometidas com o seu sucesso.

Segundo dados do último Censo da Educação Superior do MEC, 75% das matrículas estão concentradas em instituições de ensino da rede privada, demonstrando a importância dessa articulação com as faculdades, centros universitários e universidades brasileiras e com os demais sistemas de educação, pois são nos municípios onde esses profissionais mais atuam.

A formação dos professores precisa articular teoria e prática para alavancar a melhora dos resultados dos alunos e indicar um itinerário formativo de qualidade, que garanta ao futuro professor um desenvolvimento profissional seguro. São pontos essenciais para que, em um futuro breve, possamos ter, no Brasil, um novo cenário e, quiçá, um cenário em que os professores possam recomendar o exercício de sua profissão.


Publicidade