Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Alimentação aliada à luta contra o câncer


postado em 31/03/2019 05:07



O último dia do mês de março é lembrado como o Dia da Saúde e Nutrição, ótima data para refletir sobre como uma dieta equilibrada pode trazer benefícios, especialmente na prevenção de uma das doenças mais temidas do mundo: o câncer. Uma pesquisa recente revelou que um estilo de vida não saudável causa mais de 100 mil casos e 60 mil mortes por câncer todo ano no Brasil. Realizado pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e pela Harvard University, o estudo estima que, por ano, 114 mil casos de câncer (27% do total) e 63 mil mortes pela doença (34% do total) no Brasil poderiam ser evitados com a redução de cinco fatores de risco relacionados ao estilo de vida: tabagismo, consumo de álcool, excesso de peso, alimentação não saudável e falta de atividade física.

O câncer tem causa multifatorial, sendo que cerca de 10% dos tipos da doença têm componente genético, porém,  a maior parte, em torno de 90%, é determinada pelo estilo de vida e fatores ambientais. Diante desse contexto, alguns cuidados com a alimentação são fundamentais, pois os alimentos podem proteger as células das agressões externas que contribuem no desenvolvimento da doença, ou, até mesmo, reparar os danos no DNA, que podem ter ocorrido ao longo do tempo. Existem estudos que comprovam que uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, grãos integrais e carnes magras auxilia na prevenção do câncer. Além disso, uma dieta equilibrada contribui para a manutenção do peso adequado, tornando também um fator importante de proteção, já que muitos tipos de câncer estão associados com o sobrepeso e a obesidade.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), uma alimentação saudável pode prevenir de 3 milhões a 4 milhões de casos novos de câncer a cada ano no mundo. O consumo de algumas variedades de alimentos com propriedades específicas (fitoquímicos) contribui na proteção e renovação celular de órgãos específicos, ajudando a diminuir o risco de determinados tipos de câncer. Um exemplo é o câncer de intestino, que tem estimativas de mais de 35 mil novos casos em 2018, de acordo com o Inca. O consumo regular de alimentos integrais e vegetais, que contêm fibras, auxilia no bom funcionamento intestinal, e o leite e seus derivados, que são ricos em cálcio, de preferência na versão magra, ou seja, desnatados, contribuem na prevenção da doença. Já as frutas cítricas, ricas em vitamina C, estão relacionadas com a prevenção do câncer de estômago. Frutas e hortaliças, abundantes em fibras e antioxidantes, atuam na prevenção do câncer de boca, esôfago e pulmão.

De forma geral, uma dieta saudável e variada oferece uma forte proteção para a saúde em todos os sentidos. Alimentos que têm antioxidantes são essenciais contra qualquer tipo de câncer, pois combatem os radicais livres, protegem as células de fatores externos e impedem a multiplicação descontrolada de células anormais. Evitar alguns alimentos em excesso também é essencial para fortalecer essa prevenção. A bebida alcoólica, além dos diversos danos que pode causar, aumenta os ricos do câncer de boca, esôfago, fígado e reto.

Outro aspecto importante é o modo de preparar e conservar os alimentos: alimentos conservados em sal, como carne de sol e peixes, e alimentos ricos em nitritos e nitratos, encontrados em embutidos e alguns enlatados, podem aumentar o risco de câncer gástrico. É recomendado limitar o consumo de carne vermelha, não ultrapassando 350 a 500 gramas por semana, incluindo pouca ou nenhuma quantidade de carne processada devido à grande quantidade de conservantes.

É importante evitar o consumo excessivo de alimentos ultraprocessados e processados e ter como base da alimentação os in natura ou minimamente processados. Nenhum alimento é proibido, apenas é necessário diminuir o consumo dos não saudáveis. Alguns alimentos fitoquímicos que não devem faltar na alimentação são: aveia, azeite, frutas cítricas e vermelhas, açafrão, canela, cebola, alho, brócolis, couve, couve-flor, repolho, tomate, cenoura, grãos integrais, castanhas e amêndoas.


Publicidade