Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Os conselhos do barão

Um tripé serve para manter firmes assentos, câmeras, telescópios e democracias


postado em 29/03/2019 05:06

 

 





A palavra tripé vem do grego tripous e designa algo que se apoia em três escoras, base para a estabilidade de qualquer objeto a que se pretenda conferir firmeza. Um tripé serve, dessa forma, para manter firmes assentos, câmeras, telescópios e democracias. Aprende-se cedo que se trata do menor número de apoios possível para criar a solidez que permite o assentamento e, por conseguinte, a solidificação de estruturas. Para a firmeza e o bom nivelamento da peça, inclusive, é importante frisar que as três escoras devem ter o mesmo tamanho e estar posicionadas a um mesmo ângulo. Ao resultado dessa arquitetura dá-se também o nome de segurança.


Foi Charles-Louis de Secondat (1689-1755), o barão de Montesquieu, quem propôs a divisão de poderes adotada e consolidada mundialmente. A separação do sistema político em três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) constituiria, para o arquiteto da política moderna, a garantia da liberdade. “Tudo estaria perdido se o mesmo homem ou o mesmo corpo dos principais ou dos nobres, ou do povo, exercesse esses três poderes: o de fazer as leis, o de executar as resoluções públicas, e o de julgar os crimes ou as divergências dos indivíduos”, disse o barão em seu livro Do espírito das leis, publicado em 1748.


Para Montesquieu, não haveria liberdade possível caso fosse permitido que “leis tirânicas” fossem escritas, promulgadas e cumpridas tiranicamente. Em outras palavras, a fiscalização cruzada entre os poderes e o constante embate entre eles – sempre em favor do povo – é condição para a soberania do sistema. É essa interação de poderes equânimes que garante o poder inteiro ao povo, o que se convencionou chamar democracia.


Também as armas, com suas miras de precisão, se apoiam em tripés. Visualizar o equipamento sustentando uma metralhadora permite compreender a importância das três escoras para atingir um alvo que seja comum a toda a estrutura. Um pé menor ou mais fraco provocaria o colapso de toda a carcaça, acarretando tiros disparados a esmo, capazes de atingir, inclusive, o próprio esqueleto, em ocorrência assemelhada a um tiro no pé, por exemplo.


A equivalência dos poderes desenhados por Montesquieu e o respeito entre eles, portanto, é o que protege a democracia de alvejar sua própria base e de caminhar trôpega, sob o iminente e aterrorizante risco de queda. O barão, nascido no século 17, publicou com clareza suas lições para que hoje, no ainda jovem século 21, o presidente da República, Jair Bolsonaro, os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, de posse dos poderes a eles concedidos, pudessem zelar pela liberdade do povo brasileiro. Que assim o façam, todos os dias.



Frases


"Aqui é uma CPI. Na CPI, se o senhor mentir, o senhor sai daqui preso"
 
. Senador Otto Alencar (PSD-BA), ao interromper o presidente afastado da Vale, Fabio Schvartsman, que em depoimento à CPI de Brumadinho disse que a cúpula da empresa não foi informado sobre o risco em Córrego do Feijão
  
"Qualquer coisa que contribua para a continuação do sofrimento do povo venezuelano deve ser removida"
 
. Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Brasil, sobre a crise na Venezuela, onde tropa russa desembarcou esta semana

 


Publicidade