Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Sinais de confiança

Não há outro caminho para o governo no sentido de melhorar a infraestrutura do país que não seja transferi-la para a iniciativa privada


postado em 16/03/2019 05:14

 

 



Em meio a tantas notícias ruins, chega a ser um alívio ver os investidores – em especial, os estrangeiros – darem um voto de confiança ao país. Eles não economizaram nas propostas para a compra dos três lotes com 12 aeroportos no Centro-Oeste, no Nordeste e no Sudeste ofertados pelo governo. Houve casos em que o ágio sobre o valor mínimo fixado no edital de privatização passou de 4.700%. Os compradores estão certos de que o valor que pagaram pelos terminais será recuperado ao longo dos anos, devido ao grande potencial de crescimento do número de viajantes.

É preciso reconhecer que o modelo de venda escolhido pelo governo – tudo foi desenhado ainda na gestão de Michel Temer – funcionou perfeitamente. Em bloco, os investidores levaram aeroportos rentáveis e outros nem tanto. Assim, conseguem, na média, tornar tudo um bom negócio. A expectativa é de que mais 42 terminais aeroportuários sejam privatizados ainda em 2019. Isso inclui as joias da coroa, Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Se conseguir vender todos esses ativos, o Tesouro Nacional poderá encerrar as atividades da Infraero, estatal que se mostrou ineficiente e sempre foi usada como cabide de empregos para políticos.

Não há outro caminho para o governo no sentido de melhorar a infraestrutura do país que não seja transferi-la para a iniciativa privada. Com o Orçamento engessado, déficits consecutivos e ineficiência, a União vem destinando, em média, 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) anualmente para investimentos em infraestrutura. Os recursos não são suficientes sequer para a manutenção do que já existe. Não por acaso, muitos aeroportos estão mais para rodoviárias do interior e, esburacadas, as estradas se tornaram um passaporte para a morte. No caso das ferrovias, pouca coisa é motivo de orgulho.

Sem uma infraestrutura decente, não há como se falar em crescimento sustentado. Os gargalos tiram a competitividade do país, que, se ressalte, já é baixa. Do jeito que a situação está hoje, qualquer avanço mais forte do PIB empurra a inflação para cima. O Brasil, inclusive, só não está convivendo com ameaças de apagão porque a economia continua flertando com a recessão. O ritmo da atividade está fraquíssimo, mas precisa deslanchar. Só assim teremos de volta os empregos que foram destruídos nos últimos anos.

Os investidores que compraram os 12 aeroportos ontem e pagaram quase R$ 2,4 bilhões ao governo se comprometeram a investir R$ 3,5 bilhões nos próximos anos. Se houver o mesmo empenho daqueles que vierem a arrematar os próximos terminais, estradas e ferrovias, um grande volume de recursos será despejado na economia. O governo, por sua vez, poderá destinar as escassas verbas para áreas prioritárias, como saúde, educação e segurança. Esse é o caminho. Quanto mais o governo privatizar, melhor. O Estado brasileiro é inchado demais. Uma máquina enxuta e eficiente tem tudo para entregar o que a população espera: serviços de qualidade.




Frases


"Há indícios suficientes de autoria das responsabilidades"

. Bruno Tasca Cabral, delegado e chefe do Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), sobre a prisão temporária dos funcionários da Vale
 
 
"Infelizmente, nos últimos tempos, essa parceria
(com os Estados Unidos)
foi negligenciada"

. Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, sobre as relações bilaterais entre Brasil e EUA 

 


Publicidade