Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Contratar uma celebridade ou influenciador?

A segmentação deixou de ser uma tendência e se solidifica como realidade


postado em 06/03/2019 05:03

Escolher um nome para representar a marca em uma campanha publicitária pode ser um momento decisivo para marcas e agências de publicidade. Além de artistas e demais celebridades, surgem, também, os influenciadores para pluralizar as opções de escolha. Por se tratar de um investimento estratégico, é preciso priorizar as necessidades da campanha. Ainda não há teses ou um parâmetro quase que científico para validar a escolha de um em detrimento do outro. Aparece então uma pergunta subjetiva e provocadora: devo contratar uma celebridade ou um influenciador?. As respostas são diversas e aprecio tal variedade de pontos de vista. Afinal de contas, não existe um profissional certo ou errado, tudo depende da demanda comercial que a empresa tem.

Para tentar fazer com que essa escolha seja a mais assertiva possível, o mundo da publicidade está se aproximando da inteligência artificial (IA). Segundo a Kantar, em 2019, a aplicação de IA dentro da indústria de mídia e marketing aumentará acima da taxa de adoção de 50%. Com tal proporção, pode-se imaginar o quão impactante essa mudança será, principalmente em áreas como análise preditiva, automatização avançada de marketing e segmentação publicitária.

Com tantos avanços, a maneira com a qual a publicidade era feita há 15 anos parece bem mais distante. Antes, os rostos das marcas eram protagonistas de novela, que estava nas capas das revistas e nos programas de auditório. Mas com a evolução da internet, influenciadores começaram a ganhar cada vez mais espaço, até mesmo fora da web. Atualmente, temos opções que oferecem indicações assertivas, como a Connection, que monitora e conecta marcas a celebridades, e funciona por meio da inteligência artificial.

Tal destaque se dá ao fato de que o mercado almeja os nichos. A segmentação deixou de ser uma tendência e se solidifica como realidade. O futuro promete a adoção de fontes de dados mais sofisticadas para uma segmentação mais inteligente. Além da demografia, o objetivo é integrar diferentes bases de dados como geolocalização, personalidade e sites navegados.

O desafio é encontrar soluções que respeitem as leis de proteção aos dados, mas esse é um assunto para outro artigo. Em tal cenário, ao trazer o benefício da proximidade com seu público, o influencer se tornou alvo das marcas. Em meio à profusão na contratação de influenciadores, polêmicas também surgiram. O problema é que não há como medir a conduta profissional da pessoa, até porque engajamento e seguidores não comprovam esses atributos. Para evitar crises, as empresas vêm adotando medidas para se proteger.

Mas, e as celebridades? Quando o objetivo é fortalecer a construção de uma marca, as celebridades são a melhor opção. Como essas pessoas estão em evidência por conta de sua trajetória profissional e são conhecidas pelo público de grande alcance, junto com elas vem a credibilidade – esse para mim é o principal ponto antecedente a qualquer venda, a qualquer campanha de que participa. É muito importante que as marcas conheçam, de fato, quem vai estrelar seu novo produto ou serviço. Dessa forma, evitam – com toda certeza – surpresas desagradáveis.

 

 


Publicidade