Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Carnaval e segurança

O respeito e a tolerância são linhas intransponíveis. Ultrapassá-las tem consequências


postado em 02/03/2019 05:10

 

 




Carnaval é sinônimo de alegria, descontração, irreverência. Blocos, escolas e foliões aproveitam os dias de Momo para exercitar a liberdade. De certa forma, retomam o tempo das saturnais romanas. Era um período alegre. Os servidores públicos entravam em recesso. Os tribunais fechavam as portas. Nenhum criminoso podia ser punido. Libertavam-se os escravos para assistir aos festejos. As famílias ofereciam banquetes.

Durante as celebrações, invertiam-se as posições sociais. Os escravos davam ordens aos senhores. Os senhores lhes serviam iguarias à mesa. Todos se mascaravam para ficar mais à vontade. Há quem diga que as máscaras nasceram aí. No Brasil, com disfarces ou sem disfarces, reservam-se quatro dias no calendário para brincar – sem licença para abusar.

Com permissão para extravagâncias, muitos se excedem e ultrapassam limites. Esquecem-se de que conviver com os diferentes é conquista civilizatória que ninguém pode ignorar. O respeito e a tolerância são linhas intransponíveis. Ultrapassá-las tem consequências. É o caso do assédio. “Não é não”, diz o slogan estampado por mulheres em diferentes partes do corpo, mas nem sempre levado a sério por quem se sente no direito de desconsiderar a mensagem e ir além.

Levantamento de 2017 apresenta dado assustador – 87% das entrevistadas afirmaram ter sido assediadas durante a folia. Hoje assédio é crime. A Lei de Importunação Sexual, sancionada em setembro, distingue os casos de assédio dos de estupro ou atentado ao pudor. Antes, a punição era multa. Agora, é pena de um a cinco anos de prisão para quem aposta na impunidade e teima em interpretar o não como sim.

Outro sinal amarelo acende-se com o uso de bebida alcoólica. Grande parte dos acidentes de trânsito se deve ao consumo de substâncias etílicas antes de dirigir. Cerveja, uísque, vinho, vodca não combinam com volante. O motorista que optar por um deve abdicar do outro. A segurança e o bom senso aconselham recorrer ao transporte público ou ao táxi para se locomover.

Vias escuras, vazias e arborizadas são ambiente propício a pessoas mal-intencionadas. Não só. Objetos valiosos e aparelhos eletrônicos constituem convite a assaltos. O índice de furtos e roubos aumenta consideravelmente no período de carnaval. Vale o exemplo de São Paulo. Em 2018, a polícia registrou quase 2 mil casos de roubo de celulares nos blocos da cidade – 263% a mais que em 2017. O percentual se aproxima nas grandes urbes do país.

O Estado, claro, deve garantir a segurança pública. Policiamento ostensivo e ações de inteligência são importantes para inibir a violência e poupar vidas. Mas o cidadão tem de fazer a sua parte. A lição pode ser sintetizada por três ações. A primeira: cuidar-se. A segunda: respeitar o outro. A terceira, não menos importante: conviver com o diferente.



Frases


"A questão da idade mínima, o presidente não admitiu baixar"

. Joice Hasselmann (PSL), líder do governo na Câmara dos Deputados, sobre a fala do presidente Jair Bosonaro sobre a idade mínima para aposentadoria
 

"Fazia o gerenciamento financeiro"
. Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL), acusado pelo Ministério Público de realizar movimentações financeiras "atípicas" em suas contas


Publicidade