Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 01/03/2019 05:10

CAPITAL
Leitor quer CPI sobre a BHTrans


Delvo José Vargas de Araujo
Belo Horizonte

"A Câmara Municipal de Belo Horizonte tenta instaurar a CPI da Caixa-Preta da BHTrans, aquela que o prefeito Alexandre Kalil prometeu tanto durante sua campanha. Os moradores de BH, seja motorista ou pedestre, precisam saber qual é a real função desse órgão. Pois parece que a BHTrans trabalha na direção inversa da finalidade para a qual ela foi criada. Basta ver algumas obras viárias implementadas que mais atrapalham do que ajudam. Queremos saber qual o critério usado pela BHTrans para a criação de ilhas e avanços de passeios sobre as pistas de rolamento, provocando estreitamento de vias e afunilamento do trânsito. Do mesmo modo, o critério para criação de mão única e contramão de algumas ruas que, em alguns casos, provoca efeitos inversos, prejudicando mais do que beneficiando. Depois que os agentes da BHTrans foram proibidos de aplicar multas, em represália, sumiram das ruas. Raramente são vistos, principalmente nos horários do rush, quando sua presença seria de grande importância para organizar o caótico trânsito. Espero, realmente, que seja realizada a prometida CPI sobre a BHTrans, para verificar se sua atuação atende à necessidade para a qual ela foi criada, se precisa ser remodelada, melhor estruturada, qual o nível de autonomia e liberdade para realização de obras e outras atuações. Recentemente, parei num sinal ao lado de um veículo com agentes da BHTrans, comentei com eles sobre o complicado trânsito que acontecia naquele momento, e um dos agentes, de maneira irônica, disse: 'É só tirar os carros das ruas, simples assim!'. Esperamos a instalação da CPI e que ela dê as respostas que todos nós, inclusive o prefeito, queremos saber."

MAR DE LAMA
MG fica marcada por crimes ambientais


Gege Angelini
Belo Horizonte

"A história de nosso estado é recheada de causos e de fatos que marcam o país. Do ouro, do ferro, dos metais, dos rios e montanhas e suas cachoeiras paradisíacas. Minas teve, e tem ainda, a sua marca registrada de trens, de composições ferroviárias, agora voltadas também para o turismo. Minas é um 'trem' muito do bom. Em todos os sentidos. Mas essa história está, de algum tempo pra cá, manchada de sangue e de sofrimento sem limites por culpa de empresas que aqui aportam, ferem de morte as nossas montanhas, deixam sulcos que são como cortes profundos em nossas carnes. E daí? Retiram tudo o que elas têm, e as riquezas fabulosas vão para alémmar, para gáudio de outros povos. A nós, ficam as feridas expostas. E só. Esse 'trem' de Minas fez sua primeira parada em 2015, na lendária cidade de Mariana, quando o distrito Bento de Rodrigues, de trabalhadores, foi devastado pelo rio de lama fétida de minérios da Vale e associadas, matando pessoas, destruindo tudo pela frente, chegando com seus rejeitos até o arquipélago de Abrolhos, na vastidão do Atlântico. Tudo virou lama, depois pó e agora um leito de rio caudaloso, onde nada se move e vive. Mas a segunda parada não tardou muito a vir e, agora, a pacata Brumadinho se vê na linha de fogo patrocinada diretamente pela mesma Vale assassina. Córrego do Feijão vira mar de lama, também fétida, desses mesmos minérios. Mortes e mais destruição. A cada dia aumenta o número de mortos e o número de desaparecidos assusta ainda mais. Os novos governos, estadual e o esperançoso federal, devem tomar sérias medidas imediatas para que este estado de coisas chegue ao fim, doa a quem doer. Preparem-se todos, pois o comboio está desajustado e sem manutenção. Caso contrário, virá brevemente a próxima parada em nova estação, nos arredores de BH."

Sérgio Ccabral
Ex-governador se diz arrependido


Antonio Negrão de Sá
Rio de Janeiro

"A confissão do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral é uma estratégia de defesa e hipocrisia, nunca o arrependimento. A única punição verdadeira para corrupto é tomar todos os seus bens, o que roubou e o que causou de prejuízo à população. Sérgio Cabral e outros já comprovados, alguns presos, outros livres, são doentes, doentes por dinheiro. Uma epidemia própria do capitalismo e de outros regimes políticos do passado. Só a história, um dia, irá diagnosticar, corretamente, essa doença, a mais letal de todas. Pois matou e mata bilhões de seres humanos. Cabral não tem saída, visto que há óbvias provas. Essa moda de arrependimento pode pegar, como fez o ministro Onyx, mas não devolvem nada e permanecem com o patrimônio do roubo. E a Justiça ainda consente."

EM.Com

REFORMA DA PREVIDÊNCIA PODE PARAR NO STF
"Temos de ver o que é melhor para o país, sem levar os contribuintes a grandes sacrifícios. Mas que o Brasil precisa dessas reformas, precisa sim."
Antônio Sobrinho
 
"Ou se faz a reforma ou a Previdência não poderá, daqui a pouco tempo, aposentar mais ninguém, visto não ter recursos para tal. Nada mais justo do que quem ganha mais pagar mais. É uma lógica insofismável. Quanto ao Imposto de Renda, o que existe de documentos falsos para receber o recolhido de volta não está escrito. O que tem de filhos que obrigam os pais aposentados a adotá-los para continuarem a receber os benefícios também não está escrito."
José Oliveira

VOZES DE BRUMADINHO
"Cobertura humana, verdadeira. Neste momento, todos nós precisamos de vozes!"
Adriana Capuruco
 
"Caindo em lágrimas! Obrigada, Estado de Minas, por dar voz a esse crime! Não deixem esse documentário morrer."
Mika Araújo

"Parabéns pela matéria especial. Não esquecer esse crime
é obrigação da imprensa não só mineira, mas do Brasil."
Reinaldo Barbosa

"Parabéns pelo projeto! Vídeos lindos e de muita sensibilidade."
Luana

"Parabéns pelo trabalho, Estado de Minas. Não deixem Brumadinho ser esquecida! Lindíssima a reportagem. Precisamos continuar lembrando."
Sara Cândido

 


Publicidade