Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tecnologia para as cidades

A tecnologia representa uma via vital para tornar o Brasil um local cada vez mais desenvolvido e com melhor qualidade de vida para seus cidadãos


postado em 27/02/2019 05:03


Viver em grandes cidades faz parte da rotina de grande parte da população mundial: estimativas apontam que mais de dois terços da população devem estar nos centros urbanos em 2050. Com a perspectiva de crescimento global, trazer mais qualidade de vida e inovação para esses locais é mais do que um investimento, mas um ato de compromisso e responsabilidade com as gerações futuras.

A conexão entre esse objetivo e políticas públicas capazes de estimular a inovação e o desenvolvimento tecnológico é inegável. Para compreender isso, basta observar o rápido efeito que a transformação digital tem no setor privado: maior produtividade e qualidade em diversos setores – além de maior possibilidade de capacitação para diversos profissionais por meio de plataformas on-line.

Mais do que aumentar o volume de recursos, a tecnologia representa uma via vital para tornar o Brasil um local cada vez mais desenvolvido e com melhor qualidade de vida para seus cidadãos ao longo do tempo. Dados do Centro de Estudo de Telecomunicações da América Latina mostram que aumentar o índice de digitalização em 1% equivale ao aumento de 0,32% no Produto Interno Bruto (PIB).

Com mais recursos, crescem as chances de se promoverem mudanças estruturais necessárias na sociedade. É fundamental lembrar que a população (não só aqui, mas em grande parte do globo) está envelhecendo de forma cada vez mais ativa. E é necessário apresentar alternativas para cuidar dessas pessoas ao longo do tempo.

Na Europa, continente que abriga 85% das cidades com maior índice de prosperidade do mundo, algumas das tendências observadas são a melhora do conceito de e-health como forma de facilitar consultas remotas e o uso de sensores que monitoram pacientes a distância (o que pode ser particularmente útil se analisado o mercado de pacientes com doenças neurodegenerativas), antecipando situações de risco.

Dentro ou fora de casa, minimizar danos e conter impactos em redes e serviços são objetivos comuns aos governantes de diversos países. Hoje, o recurso mais difundido no campo de segurança são os sistemas de videovigilância (CCTV). Com inteligência artificial, pode fornecer às cidades novas soluções, como o reconhecimento de objetos, pessoas e até mesmo de comportamentos.

Segurança é um dos pilares essenciais para o futuro, ao lado da gestão eficaz de recursos para manter as cidades em pleno funcionamento. Mais uma vez, a tecnologia pode ser uma aliada importante nesse processo. O uso de internet of things (IoT), por exemplo, permite incorporar sensores nos contêineres de coleta de lixo, deixando clara a maneira ideal de fornecer serviços de coleta com base em indicadores extremamente apurados de uso, condições de tráfego ou capacidade de atendimento.

Nada disso pode ser feito sem profissionais capacitados e aptos a lidar com esse novo cenário. Por isso, gerar ambientes de especialização e inovação capazes de atrair e manter o capital humano são pontos a serem observados. O avanço do setor de tecnologia da informação e comunicação (TIC) representa uma excelente oportunidade para as cidades como meio de crescimento econômico e criação de empregos ao longo do tempo.

O desenvolvimento desse setor exige uma rede de instalações, ambientes e incentivos que atraiam e estimulem empresas, empreendedores, centros de inovação, universidades e investidores. E, aqui, é possível observar iniciativas recentes do setor privado brasileiro: promover a criação de startups, oferecendo locais e meios para que essas iniciativas possam se desenvolver ao longo do tempo.

Atingir esse objetivo na esfera pública depende de um plano estratégico orientado, estável, definido e de longo prazo que priorize o investimento em ciência e novas tecnologias, oferecendo segurança para que os recursos alocados sejam capazes de gerar conhecimento e crescimento sustentável nos países em que forem aplicados. Além disso, devem-se traçar metas sob a premissa “start small, think big", onde sejam priorizadas atuações viáveis e de impacto para ir, paulatinamente, crescendo e alcançando os objetivos estabelecidos.

Impulsionar o crecimento do país através da inovação, empreendedorismo e digitalização tem de ser um compromisso no Brasil dos próximos anos. Cada vez mais, acreditamos que é possível acompanhar e liderar uma transformação tecnológica que gere valor e traga competitividade para a economia, ao mesmo tempo em que impacta a vida cotidiana das pessoas, empresas e instituições.

 


Publicidade