Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Consequências do uso inadequado das mochilas

A utilização inadequada é um dos motivos que levam 85% das crianças e adolescentes a terem dores nas costas


postado em 16/02/2019 05:07

 

 





Nos últimos anos, o peso excessivo das mochilas em crianças e adolescentes tem sido alvo de muitas campanhas educativas voltadas para pais e educadores e mesmo para os jovens. Evidentemente, isso se relaciona às consequências para a saúde, já constatadas por profissionais da área, em especial os ortopedistas, que recebem, frequentemente, pacientes em idade escolar com problemas causados pelo uso inadequado de mochilas.

Destacamos que uma das regiões mais complexas do corpo, que é a coluna vertebral, pode apresentar várias disfunções, e muitos desses problemas estão associados aos maus hábitos posturais de crianças e adolescentes. Lembramos que é nessa fase que o corpo passa por mudanças fisiológicas importantes.

Com a volta às aulas, a  Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – Regional Minas Gerais (SBOT Minas) alerta os pais sobre o peso das mochilas escolares.  Segundo a entidade, sua utilização inadequada é um dos motivos que levam 85% das crianças e adolescentes a terem dores nas costas.

Para evitar qualquer dano na postura, o peso da mochila não deve ultrapassar 10% do peso do estudante. Os materiais mais pesados devem estar sempre colocados dentro dela, junto às costas.

Também orientamos os pais  para que, na hora da compra, prefiram mochilas com alças acolchoadas, reguláveis e firmes. Elas devem ter uma largura mínima de 4cm. Preferencialmente, devem ter cinto abdominal, pois ajudam a equilibrar o peso.

Destacamos que os ortopedistas não são contra o uso da mochila, mas, sim, contra o excesso de peso e a forma inadequada de carregá-la (em apenas uma alça), já que podem provocar problemas na coluna que nem sempre são percebidos de imediato, mas quando o estudante for adulto.

Alertamos, ainda, quanto à postura inclinada do estudante para suportar o peso de uma mochila. Tal postura pode provocar dores nas costas, ombros e pressionar músculos e o ligamento do pescoço. O peso excessivo ainda pode causar danos na região lombar, no joelho e também no quadril.

É importante salientar que há uma grande diferença entre os efeitos nefastos de uma mochila pesada ser carregada por um estudante que desce do ônibus ou do carro, praticamente dentro da escola, e daquele que, morando em local mais distante, carrega a mochila por longos percursos a pé. Nesse sentido, orienta: as escolas deveriam disponibilizar armários individuais para seus alunos guardarem seus materiais escolares.

Como prevenção, a Sociedade de Ortopedia e Traumatologia de Minas Gerais – SBOT Minas recomenda novamente:

a) A criança não pode carregar na mochila mais do que 10% de seu peso;

b) Nunca deve carregá-la com apenas uma das tiras passada pelos ombros, pois isso pode provocar escoliose;

c)  As tiras devem ser tensionadas para que a mochila fique bem junto ao corpo e cinco centímetros acima da linha da cintura.


A utilização inadequada é um dos motivos que levam 85% das crianças e adolescentes a terem dores nas costas


Publicidade