Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Relacionamento abusivo: os primeiros sinais


postado em 15/02/2019 05:07

O assunto de hoje é extremamente delicado e importante a todos que se dedicarem à leitura do texto. Vivemos em um país que ocupa o quinto lugar no ranking de feminicídio, de acordo com a ONU Mulheres. No Brasil, cerca de 41% dos casos de violência acontecem dentro de casa. Além disso, segunda a mesma organização, três em cada cinco mulheres sofreram ou sofrem violência física ou moral em um relacionamento afetivo. E é por isso que hoje precisamos falar de relacionamento abusivo.

Apesar de esses dados alarmantes refletirem a realidade das mulheres brasileiras, também é importante ressaltar que homens também podem ser vítimas dessa situação. Antes de começar a citar alguns exemplos de sinais de relacionamento abusivo, eu gostaria que você respondesse a alguma questões que podem ajudar a enxergar melhor, caso você esteja vivendo esse tipo de inconveniência dentro da sua relação. Responda, rapidamente: esse relacionamento tem mais momentos felizes ou tristes? Você sente que se doa muito mais do que recebe? É comum o sentimento de culpa e de preocupação com a relação?.

Caso as respostas sejam sim, ou você teve alguma dúvida para respondê-las, chegou a hora de refletir melhor sobre sua relação.

Compartilho aqui cinco sintomas que você pode estar vivendo, que ajudarão a identificar se você pode estar vivendo um relacionamento abusivo ou não. São eles:

Oscilação de humores. Seu companheiro(a) ora é muito gentil e delicado(a), ora muda de humor repentinamente. Fica rude e rancoroso(a), criando sempre um ciclo vicioso de expectativas, insegurança e aquela dúvida na parceira/parceiro: como será que ele(a) vai estar hoje? Será que vai acordar bem? Vai estar bem à noite?. E a sensação que fica é de que você sempre tem que fazer alguma coisa para melhorar a situação, e não o seu companheiro(a).

Humilhação em público. Constrange e humilha você na frente dos amigos e da família. Evita que você fique perto dos amigos e de parentes, enfim, força você a se distanciar de qualquer pessoa que possa dar apoio. Diz que você não é nada e nem ninguém sem ele/ela.

Controle de roupas e finanças. Faz com que você se sinta incapaz de tomar decisões. Passa a interferir no seu estilo de vida, de roupas que usa, penteado, comportamento etc. Tira os seus próprios objetos de você e controla as suas finanças. Não estimula os seus sonhos e diz que nada do que você fizer pode dar certo. Desautoriza você em quase tudo.

Você precisa implorar para o que quer. Seu parceiro/parceira não faz uma coisa que sabe que você gosta para que você precise 'implorar' pelo o que quer. É manipulador. Quer mostrar quem manda, colocando você em situações extremamente desconfortáveis.

Transferência de culpa. Passa horas ignorando você com caráter punitivo e injustificado. Se você pergunta por que ele/ela está assim, a resposta é sempre algo como: 'Você sabe muito bem o motivo de eu estar assim' – mesmo que você não tenha a menor ideia a que ele/ela possa estar se referindo.

Como vocês notaram, uma relação abusiva não necessariamente envolve violência ou agressão física. A agressão psicológica pode ser a grande protagonista dessa relação e isso destrói a autoestima de qualquer pessoa. A agressão psicológica pode, sim, ser o início do que pode terminar em violência física.

E como sair dessa situação? Procure ajuda especializada para identificar a melhor saída para seu caso, de forma muito bem refletida e planejada, já que devemos evitar piorar as coisas e não permitir qualquer risco à sua integridade física. A saída deve ser escolhida de forma a trazer o menor prejuízo, seja psicológico, físico ou moral para todos os envolvidos. A vida é muito curta para mantermos uma relação tóxica. Decida por sair desta situação o mais rápido possível.


Publicidade