Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 14/02/2019 05:05

PREFEITURA
Poda de árvores
demora a ser atendida


Ana Luzia Tocafundo
Belo Horizonte

Em 5/9/2018, liguei para o BH Resolve solicitando a poda de três árvores de grande porte na Rua Castelo de Windsor. As árvores estavam ameaçando a rede elétrica e os danos seriam grandes, além de atingir as pessoas e ser uma rua com escolas infantis. Pediram 88 dias úteis para atender ao pedido. Protocolo: 274224704. Mesmo pedido fiz à Cemig, que veio e disse ser tarefa para a prefeitura de BH. Dia 21/1/2019, após vencido o prazo da PBH, liguei novamente para o número 156 para falar sobre o agravamento do problema de tombamento sobre a rede elétrica. Mandaram aguardar mais 30 dias. Decidimos, então, pedir ajuda ao Corpo de Bombeiros, que no dia 23/1/2019 veio às 18h e comprovou o risco de ocorrência grave. Fizeram a poda do tronco e dos galhos da árvore já tomada pelos cupins e o trabalho durou até 21h40. Orientaram que as outras árvores devem ser podadas pela PBH e que o risco de acidentes é iminente. Em 9/2/2019, completam-se cinco meses, ou mais de 120 dias úteis, e a PBH não fez nada. A meu ver, essa propaganda 'Trabalhando para quem precisa' é bem enganosa. Conto com a ajuda do jornal Estado de Minas para um novo
alerta à PBH."  

LAMENTÁVEL
Opinião de leitor sobre
fala de advogado


Márcio Pedrosa
Belo Horizonte

"O caderno Gerais do jornal Estado de Minas, em 10/2/2019, trouxe, em sua página 17 uma entrevista com André de Paiva Toledo, intitulado professor de direito internacional e suposto especialista em desastres ambientais. Presume-se que o entrevistado seja um causídico de profissão. Na segunda coluna do artigo, há em destaque o registro de uma manifestação do especialista, da seguinte forma: 'Mas como valorar a perda de uma vida? Esse é o outro grande desafio do direito, transformar em valor financeiro aquilo que não tem valor.' Fiquei estupefato de ver que um advogado, supostamente uma pessoa que deveria dominar com maestria os caminhos e descaminhos da língua pátria, conseguiu em tão poucas palavras cometer tantas imprecisões e ser tão imprevidente. Senão vejamos: como valorar a perda de uma vida? Ora, não se valoriza a perda de uma vida, jamais! A 'perda de uma vida', tem muito valor negativo. Ou não tem valor algum. O valor se encontra em manter a vida, salvar a vida, evitar a perda de uma ou mais vidas. Isso, sim, tem valor e pode ser 'valorado' de alguma forma. Ações para conservação e preservação da vida, seja ela humana, animal ou vegetal, podem e devem ser valorada. Uma vez que, a vida não tem preço. Nenhuma quantia no mundo poderá resgatar um morto de seu sono definitivo. O nosso entrevistado comete, aqui, uma gafe astronômica, ao dizer da dificuldade em atribuir valor financeiro 'àquilo que não tem valor'. Quero acreditar que, devido a algumas dificuldades de ordem acadêmica, o levaram a utilizar essas palavras, em vez de preço, 'aquilo que não tem preço', já que a o valor da vida não pode ser quantificado em questão de valor financeiro. Obviamente que o uso das palavras valor e preço é amplamente distinto. Valor está mais ligado a aspectos de ordem moral, estética e ética. Preço pode ser uma convenção, um acordo entre partes, ou uma grandeza estipulada em legislação. Resolvi tecer esses comentários por achar que essas falhas, vindas de um homem do setor jurídico, são de extrema gravidade, posto que em suas manifestações em atos de cunho legal e valor inconteste junto ao Judiciário, esse profissional se manifesta com palavras e frases. Imprecisões como essa podem levar a erros graves no desenrolar de um procedimento jurídico. Ao que parece, as faculdades de direito não têm se primado pelo desenvolvimento e aperfeiçoamento de seus
graduandos. Lamentável."


EM.COM.BR

MÃE E FILHA SÃO ENCONTRADAS MORTAS EM SÃO CARLOS. MARIDO ESTÁ PRESO
"Não se pode dizer que a motivação do crime foi ciúmes. A motivação do crime é que alguns homens são tão 'm...' que acham que os outros têm que viver a vida em torno deles. Se isso não acontece, eles brigam, xingam, batem e assassinam."
Rita

"Isso sim que é uma mulher de caráter. Não encobriu o crime bárbaro que o filho cometeu. Ele fez isso porque sabe que, se for condenado, não passará mais de 15 anos atrás das grades. Nossas leis devem ser alteradas. Crimes hediondos têm que começar em 50 anos de condenação e, para cada agravante, aumento de 20% à pena. Só ter direito a solicitar condicional quando cumprisse 75% da pena. E, também, nada de visita íntima."
Jorge Santos

"O certo seria mudar as leis. Mas só tem mau-caráter lá em cima. Assim, fica difícil."
Laércio Silva Porto



FACEBOOK

'MEU FILHO FICARIA ASSOMBRADO COM TANTO CARINHO', DIZ MÃE DE BOECHAT
"Somente na Bíblia encontram-se mulheres como esta senhora. Ela tem uma visão iluminada. Falou ao mundo os verdadeiros valores do ser humano."
Maria Aparecida

"Mãe, sábia e com muito amor. Deus a abençoe e conforte."
Ana Maria Rabelo

"Que mulher! Estou maravilhada com esta senhora."
Euzilene Ribeiro Zizi

"Mãe é mãe, em qualquer parte do mundo!"
José Miguel de Souza

CORINTIANO REGISTRA FILHO COM O NOME DE CORINTHIENZO
"Ainda bem que não é aqui em Minas... vai que coloca Atleticanenzo. Tadinho, não ia ganhar nada e ainda iria viver caindo!"
Suelen Fernanda Pontes

"O brasileiro precisa ser estudado pela Nasa! É muita criatividade, para não dizer outra coisa."
Kris Kristoferson

"Uai, aqui em BH, um pai, torcedor fanático do Atlético, colocou o nome da filha de Ocitelta. Detalhe: de trás pra frente se lê Atlético."
Guilherme Batista Ribeiro


Publicidade