Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Embalar para crescer


postado em 12/02/2019 05:08

Item que pode parecer trivial para o olhar leigo, a embalagem é parte fundamental de qualquer negócio e é, também, um elemento que faz a diferença desde o ponto em que tratamos da segurança e integridade de um produto até o consumidor final, com o objetivo de encantar o cliente com o resultado do que foi adquirido.

Em 2017, o setor da produção física de embalagens atingiu valor bruto de R$ 71,5 bilhões e estima-se que, em 2018, o crescimento em relação ao ano anterior (5,1%) tenha se mantido. Dentro da indústria gráfica, as embalagens também representam uma oportunidade de negócios impressionante: segundo dados da Abigraf (Associação Brasileira da Indústria Gráfica), 48,6% da produção no setor hoje é dedicada a esse mercado.

Os números mostram que este é um mercado pulsante, em expansão e com alto potencial de desenvolvimento. Portanto, é alarmante que a indústria como um todo ainda não tenha voltado seu olhar para os empreendedores, além de pequenas e médias empresas, a fim de atender esse público dentro de suas particularidades. Em geral, a produção de embalagens ainda se resume a quantidades mínimas de milhares de unidades, o que muitas vezes é um impeditivo para quem busca uma solução customizada para o seu negócio.

O resultado disso é um produto final que não tem o cliente no centro, um pilar básico para qualquer negócio que envolva bens de consumo. Recipientes genéricos, comprados em quantidades não adequadas e em muitos casos desnecessárias, acabam sendo a única solução para o pequeno produtor. Isso sem falar sobre a restrição de acabamentos e materiais, que acabam por limitar qualquer possibilidade de inovação nas prateleiras (sejam estas físicas ou virtuais).

Felizmente, alguns players já perceberam essa lacuna e se movimentam para atender a essa dor desses clientes "menores". O raciocínio é simples: uma vez que há demanda para crescer, o potencial de retorno é diretamente proporcional. Como indústria, a proposta deve ser voltada não apenas a repetir uma fórmula já bem-sucedida, mas investir em modelos novos e disruptivos, sem exigências irreais que não atendem quem está começando ou mesmo quem já tem um negócio e deseja customizar sua entrega.

No mundo conectado em que vivemos, a personalização não é mais um luxo, mas uma ferramenta necessária para o sucesso, uma alavanca para mudar completamente o seu negócio. E, nesse contexto, a ordem dos fatores não importa: seja o primeiro ou o último passo na cadeia de produção, a embalagem é a representação, ou "a cara", da empresa. Nada mais justo, então, do que apostar nela para que seja do seu jeito.


Publicidade