Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A força do jornalismo


postado em 12/02/2019 05:08

A trágica perda do jornalista Ricardo Boechat abre uma lacuna enorme no que o jornalismo tem de mais importante, a combatividade. Em tempos tão sombrios, em que a imprensa vem sendo atacada de forma feroz por exercer sua missão, a de informar o cidadão, o enfrentamento aos poderosos se tona cada vez mais importante para a consolidação do regime democrático.

A história está aí para ratificar que, nos países em que a imprensa combativa foi calada, os cidadãos foram os maiores prejudicados. Além de ser manipulados por ditadores, corruptos, mal-intencionados, perderam direitos básicos, como o de expressar livremente seus pensamentos. Mais: os que se rebelaram foram presos, torturados e, em muitos casos, mortos.

A morte de Boechat e o trabalho deixado por ele devem servir de apoio – e inspiração – para aqueles que, diariamente, sofrem as dores do compromisso com a verdade. Movimentos como os observados nas redes sociais, que tentam desqualificar a mídia, só interessam aos que têm algo a esconder. Basta a divulgação de algum malfeito para que o acusado tente se proteger sob o discurso de que é perseguido injustamente por jornalistas.

Há poucos dias, o Brasil se viu diante de um fato preocupante. Sem alarde, o governo ampliou o número de servidores que podem decidir, de acordo com seu critério particular, quais informações devem ser mantidas em sigilo e por quanto tempo. Essa decisão enfraqueceu um dos instrumentos mais importantes usados pelos jornalistas, a Lei de Acesso à Informação, para revelar irregularidades que o poder público insiste em manter debaixo do tapete.

Não se pode negar que, na ânsia de informar, jornalistas cometem erros. Mas, na maioria das vezes, a imprensa, com todo o cuidado que lhe é característico, tem feito um trabalho relevante para desnudar a malversação do dinheiro público. Muitas vezes, é a insistência do jornalista que obriga as autoridades a saírem da zona de conforto para investigar e punir os culpados, seja qual for o crime cometido.

Jornalistas sérios e comprometidos com a verdade ganham relevância ainda maior ante a ameaça das fake news, uma praga que deve ser combatida com todas as forças. Cidadãos bem-informados ampliam e enriquecem o debate. São fundamentais para que os rumos de um país não sejam bloqueados pela intolerância, pelo desrespeito, pela opressão, pela corrupção. Quanto melhores forem os jornalistas no exercício diário da profissão, menores serão os riscos de a população ser enganada. E mais fortes serão os instrumentos de combate daqueles que não se rendem à censura e ao poder econômico.


Publicidade