Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Despreparo gerencial

Gerenciar é interagir plenamente com as pessoas


postado em 25/01/2019 05:06

No meio corporativo, as ideias novas que surgem, com a intenção de promover o desenvolvimento das corporações, nem sempre têm acolhida de forma natural e espontânea, como pode assim parecer. Dois complicadores se destacam: a arrogância das chefias e a vaidade da maioria das pessoas. Disputas internas, geralmente, acirram o ambiente e prejudicam os interesses das próprias organizações. Diz um pensamento árabe que "condoer-se de um amigo é fácil, difícil é alegrar-se com o seu sucesso". Realmente, chorar em velório é mais fácil do que bater palmas para a ascensão de um colega de trabalho, de mesmo nível, compartilhar com os elogios que ele recebe e, sobretudo, com a premiação que ele, mesmo merecidamente, venha a receber. Desta forma, nenhuma organização escapa das fofocas, intrigas, boicote e outros sentimentos menores. Quanto maior a empresa, mais problemas para o administrador e, se ele fraquejar, os grupos informais crescem ou podem até mesmo tomar conta de determinadas ações.

Em um ambiente naturalmente competitivo, como é o caso das empresas, se o gestor não tiver intuição ou competência para acompanhar os caminhos das pessoas-chave, especialmente, a forma como interagem, e com quem elas se comunicam, os resultados empresariais podem ficar comprometidos. Determinadas soluções apresentadas, sejam de desenvolvimento tecnológico ou de mudanças administrativas, causam impactos diferentes de uma organização para outra. Quando elas encontram uma liderança democrática, porém firme, há boa receptividade e as coisas tendem a caminhar para o bem de todos. As empresas que acolhem bem as ideias, geralmente, são as que detêm mais tecnologias e patentes. Entretanto, se o gerente é despreparado, arrogante e fecha os olhos e os ouvidos, o ambiente se enfraquece naturalmente e irá favorecer a rivalidade entre os pares em vez de uma união saudável. Os problemas podem extrapolar o âmbito interno, causando arranhões na imagem da organização, prejuízos na produtividade, além de gerar insatisfação dos profissionais mais importantes e responsáveis para o sucesso empresarial. Gerenciar é interagir plenamente com as pessoas.

Não é incomum determinado chefe, temendo a competência do subordinado, passar a depreciá-lo, com medo de perder seu cargo. Também, nem sempre uma boa solução avança por inveja de quem deveria promovê-la ou pela defesa exagerada da posição que ele ocupa. Muitos executivos e empresários precisam rever conceitos gerenciais e abrir caminho para as novas ideias, sobretudo porque elas custam muito menos do que as máquinas. Albert Einstein, considerado um gênio da física quântica e uma das personalidades científicas que mais influenciaram a humanidade no século 20, mantinha troca de ideias com todos os físicos renomados de sua época. Com a visão multiforme que ele tinha das coisas e seu comportamento livre da arrogância científica, quem ganhou foi a ciência. É dele a frase que muita gente precisa refletir sobre ela: "A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original".

 

 


Publicidade