Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Reforma contra o caos

Adiar as mudanças ou fazer arremedos na Previdência é só protelar um problema que precisa ser encarado por toda a sociedade


postado em 04/01/2019 05:02







Entre os maiores desafios que o novo governo enfrentará nos próximos quatro anos, a reforma previdenciária é, sem sombra de dúvida, o que se mostra mais urgente. A população brasileira vem envelhecendo nas últimas décadas e as projeções apontam para o aumento da parcela idosa no Brasil. Em 1960, a expectativa de vida do brasileiro era de 52,5 anos e, em 2016, passou para 75,6 anos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2060, um quarto da população deverá ter mais de 65 anos, ou seja, 58,2 milhões de pessoas. Em 2018, essa proporção era de 9,2% (19,2 milhões de pessoas).

 A previsão de especialistas é de que em 2040 haja mais inativos recebendo aposentadorias do que trabalhadores contribuindo. Esses dados, por si só, já mostram a necessidade de priorizar a reforma da Previdência Social neste governo que se inicia. Ao tomar posse na quarta-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, mencionou o desequilíbrio no sistema. Enquanto quem legisla e quem julga as leis no país recebem as melhores aposentadorias, os trabalhadores têm o menor ganho após anos e anos de contribuição.

 Ele acrescentou que, sem a reforma previdenciária, o governo terá que acabar com a vinculação orçamentária, o que representa o fim da garantia de um gasto mínimo para áreas como saúde e educação.

 O cenário que se apresenta é assustador e aponta para um caos se nada for feito. Este ano, a estimativa é de que o rombo nas contas da Previdência Social chegue a R$ 218 bilhões. Só os gastos com servidores da União chegarão a R$ 87,5 bilhões, sem contar estados e municípios. Adiar as mudanças ou fazer arremedos, como foi nos governos passados, é só protelar um problema que precisa ser encarado por toda a sociedade.

 Para enfrentar a questão da aposentadoria pública, o primeiro ponto, talvez o mais importante e difícil, seria implementar uma reforma previdenciária que promovesse a equidade e também acabasse com fraudes. As regras atuais levam a uma desigualdade e a privilégios para uma parcela pequena de aposentados, em detrimento da grande maioria da população. Certo é que não adianta mais adiar esse enfrentamento, sob pena de inviabilizar o sistema e comprometer as aposentadorias num futuro muito mais próximo do que se pode imaginar.





Frases


"Não haverá abandono de auxílio a qualquer indivíduo nas diretrizes de Direitos Humanos"

. Jair Bolsonaro, presidente da República, no Twitter, após grupos LGBT questionarem a ausência de setor do Ministério dos Direitos Humanos voltado especificamente a políticas para a área


"Ninguém vai defender mais a agenda econômica de Bolsonaro do que eu"

. Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, que obteve apoio do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, para se reeleger ao comando da Casa

 

 


Publicidade