Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Novas funções e cargos trazidos pela inovação na era 4.0


postado em 01/01/2019 05:06

Já faz um tempo que a inovação vem alterando processos, modificando rotinas, práticas, empresas e pessoas, e que tem transformando o mundo, em todos os sentidos. E com os cargos e funções dentro das organizações não é diferente. Sobretudo com as possibilidades trazidas pela inteligência artificial (IA).

Como ela poderá contribuir para o trabalho na era 4.0 e no futuro que está por vir? Como os robôs e seres humanos conduzirão os processos dentro das empresas? Como vai funcionar essa relação e como ela contribuirá para os objetivos das organizações?

Ainda não temos respostas exatas para esses questionamentos, sabemos apenas que os robôs, com os quais já temos contato na vida pessoal e profissional, vêm facilitando o nosso dia a dia. Mas o fato é que essas transformações já estão acontecendo e que acompanhá-las será fundamental para os profissionais e para as empresas.

Assim como a possibilidade de armazenar dados na nuvem trouxe mais agilidade, praticidade e segurança e conforto para os profissionais, principalmente quando o assunto é a locomoção e o tempo, outro exemplo prático, e que já pode ser encontrado, hoje, é o do colaborador que, antes, atuava com tabelas, tratando infinidades de dados e números. Com o big data, agora, é possível que um volumoso número de informações seja armazenada e analisada, ao mesmo tempo, por computadores.

Assim, o profissional, com suas características de análise e interpretação crítica, lida com essas informações de maneira estratégica, entregando seu tempo à tomada de decisões, que vão interferir diretamente nos resultados, e não às atividades operacionais, que são realizadas pela máquina.

A segurança é outro ponto significativo dessas novidades. Antes, o colaborador, que atuava conferindo a temperatura dos chamados altos-fornos, que são comuns na indústria siderúrgica, por exemplo, agora conta com a inovação dos drones, pequenas aeronaves, que são controladas de forma remota, e que são resistentes às altas temperaturas desses locais. Assim, essa ferramenta consegue fazer uma vistoria interna e não apenas entrega dados, mas apresenta um relatório completo sobre as condições dos fornos.

Diante desse benefício, trazido pela IA, ao profissional não são mais demandadas capacidades como a força física e a resistência, mas o conhecimento sobre o manuseio de drones e em análise de dados. Uma inovação que afeta, diretamente, a qualidade do trabalho e preserva a segurança do funcionário, é, sem dúvidas, uma evolução.

Esses exemplos reforçam um ponto que precisa ser difundido dentro das empresas e na cultura dos próprios profissionais: a inovação e as novas tecnologias, bem como todas as mudanças trazidas por essa nova realidade, que devem ser encaradas como um convite à evolução e não um obstáculo que dificulta o trabalho.

Com tantas ferramentas, facilidades e novas possibilidades, as demandas por adaptação irão aumentar. Mas, também, trarão mais comodidade, segurança, qualidade de vida pessoal e no trabalho e um acesso a novos conhecimentos e habilidades.

Além disso, a conectividade está transformando não apenas as possibilidades de lugares onde podemos atuar, mas também o modo como produzimos e criamos. O fato é que, apesar de desafiadora, a automação vai disponibilizar pessoas para exercer a criatividade, o raciocínio lógico e habilidades sociais em atividades mais interessantes.

Com a inovação dos cargos e das funções, dentro das empresas, as características que são intrínsecas aos seres humanos continuarão, por fim, a ser o principal diferencial das organizações.


Publicidade