Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Deixe entrar a brisa da esperança. Feliz 2019!


postado em 31/12/2018 05:02

Faltam apenas algumas horas para o advento de uma anunciada e prometida nova era para o Brasil e para Minas. Percebe-se a esperança que a chegada de um novo e, talvez, melhor tempo, pior do que o atual não é possível, provoca na maior parte da população. Novo e melhor tempo anunciados e prometidos, na campanha eleitoral, por Jair Bolsonaro e Romeu Zema, presidente e governador eleitos que tomam posse amanhã. A enorme, folgadíssima vantagem de votos sobre seus concorrentes, decorreu, induvidosamente, das mudanças éticas, políticas e administrativas que prometeram. E que lhes cabe cumprir a partir de amanhã.

Disse que a esperança é partilhada pela maior parte da população, pois uma minoria, a que não mais poderá usufruir das vantagens e benesses do poder que exerceu de forma danosa, criminosa, perniciosa, tudo fez e continua a fazer para solapar projetos e desempenho daqueles dois candidatos que os eleitores escolheram para recuperar a economia, a seriedade e a honestidade perdidas. Os órfãos da corrupção não se conformam com a sentença condenatória prolatada pelos cidadãos-eleitores e temem a punição que lhes será imposta pelos crimes que cometeram. Por justiça, ressalvo entre os minoritários recalcados, os ingênuos enganados por propaganda mentirosa, e os seguidores de ideologias importadas que não deram certo em nenhum país por elas afetados, leia-se a fracassada ex- União Soviética, a empobrecida ilha dos Castros, a Venezuela dos ditadores chaves falsas e maduros, embora verdes ou apodrecidos.

De Bolsonaro sabe-se quase tudo o que é e fará. Ele é aberto, convivente, falante, no meu entender até demais. Escreve o que pensa no seu WhatsApp e congêneres, dá entrevistas quase diárias, um exagero, com respostas detalhadas e minuciosas, muitas delas marcadas pela ironia, o seu forte, às perguntas, quase sempre provocativas, muitas desrespeitosas, de repórteres de jornais que contra ele continuam a fazer campanha. Seus filhos contribuem, o que não é bom, para ampliar o exagero verborrágico.

Seu programa de governo já foi revelado e publicado. E aprovado por 99% dos que acompanham os fatos da política. O que é raro acontecer e auspicioso para sua equipe, também já anunciada “in totum”, desculpem o latinóro, testada e pesquisada, em minúcias, pelo que buscam possíveis deslizes e malfeitos, até agora não encontrados ou não comprovados, para serem usados contra ele. Nem a discreta e linda futura “primeira dama” escapou do furor pesquisatório. Válido quando realizado sem segundas e terceiras intenções.

Enquanto Jair Bolsonaro, presidente amanhã (se escapar de esfaqueadores covardes), anuncia com antecedência seus ministros, seus presidentes e diretores de bancos e de todas as empresas públicas, Romeu Zema, governador de Minas Gerais amanhã, faz segredo parcial do time que botará em campo para tantas disputas difíceis e decisivas para ele próprio, para seu governo, para os mineiros tão carentes e sacrificados por petistas de mau coturno.

Até as vésperas da posse, quando elaboro meu escrito semanal, Zema e seu vice, Paulo Brant, peça importante para o sucesso de seu programa, mantinham o assunto, a equipe completa, sob segredo inusitado. Seria por problemas pontuais, dificuldade em encontrar bons nomes capacitados, ilibados, ou por estratégia político-partidária? O mistério causa estranheza nos veteranos observadores da área política. E preocupação. Pois gera boatos desagradáveis para o novo governador, fake news de todas as naturezas.

Exemplo: Zema estaria sendo vítima de pressão de candidatos aos cargos vagos, o principal deles a presidência e diretorias da Cemig e de suas controladas, do BDMG, da Copasa. Junto com os que pleiteiam as posições principais naquelas empresas, estariam atuando grupos políticos-partidários de sua coligação e até, imaginem o absurdo, do defenestrado governo petista!

Outro boato: a pressão estaria tendo sucesso e ex-auxiliares do sr. Pimentel já estariam confirmados na nova equipe, que os não divulga para evitar protestos. Será? Difícil acreditar, muito menos aceitar. Afinal, Zema foi eleito pelo bom programa apresentado ao eleitor e por sua independência em face da chamada “velha política”. Mudar tudo foi o compromisso que ele assumiu. O boato será confirmado ou desmentido a partir da posse. Aguardemos. Mas outra fake news diz que Zema anunciará alguns nomes dos chamados primeiro e segundo escalões no correr de janeiro. Os postos vagos ficarão acéfalos até lá? E seu anunciado propósito de “limpar” as áreas administrativa e financeira incompetentes e/ou corruptas, Minas está falida, será mesmo executado? Quando?

Bem. Janeiro é sempre promissor, por encerrar um ciclo marcado por problemas e crises – quem não os tem? – e por inaugurar um novo tempo na vida de todos nós, cidadãos de um mundo permanentemente conflagrado. Este janeiro de um novo ano que começa amanhã é diferente dos demais. Logo no seu primeiro dia viveremos a emoção da troca da guarda nacional e estadual, o que pode significar o fim das mazelas que maus gestores nos causaram por tanto tempo.

O que nos cabe fazer, amanhã, bem cedo, com chuva ou com a volta do sol, é escancarar nossa janela, para permitir a entrada da brisa leve e pura do nascer do dia, trazendo-nos de volta o otimismo, a esperança de um novo tempo e de confiança nos que estão chegando lá em Brasília, aqui nas Gerais, em todo o país.

Afinal, hoje é dia de desejar a todos um feliz ano novo.

 

 


Publicidade