Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 23/12/2018 05:02

RESERVA
Demarcação pode sofrer mudança
Mara Montezuma Assaf
São Paulo

“Falar sobre o óbvio é dizer que a Reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima, foi demarcada sobre um subsolo riquíssimo em minerais estratégicos e um solo fértil, antes utilizado por produtores de arroz, que de lá foram expulsos em 2005, após a homologação da demarcação por Lula. É dizer que essa reserva está estrategicamente localizada nas fronteiras com a Venezuela e a Guiana, o que, inclusive, coloca em risco nossa soberania. Então, vem o ex-presidente da Funai Sydney Possuelo dizer que ‘índio não tem um palmo de terra. Pertence à União’. Só que esqueceram de dizer isso aos índios, pois cada vez que um brasileiro não índio tenta atravessar suas reservas, lá está um comitê a postos, armado com seus arcos e flechas, a fazer cobrança de pedágios. E caríssimos! Dizer que os índios só têm usufruto da terra é uma falácia, pois não só usufruem dessas enormes áreas para poucos milhares de indivíduos, como também recebem ajuda médica necessária para garantir a saúde das tribos. Possuelo diz que ‘um só homem do agronegócio pode ter centenas de hectares, mas uma comunidade inteira de índios não pode ter’. Ora, um homem de agronegócio emprega muitas famílias e produz para centenas de milhares de pessoas. Desfazer do agronegócio, que é um dos sustentáculos de nossa economia, com um raciocínio tão centrado no próprio umbigo, é a maior prova de que a questão de demarcação de terras indígenas precisa ser revista com urgência, para o bem de todo o Brasil. Senhor Possuelo, isso também é uma questão de soberania!”

ENGANADORES
João de Deus é só João de Abadiânia
Jeovah Ferreira
Brasília

“Para seduzir e enganar, o diabo pode fazer o bem. Em Coríntios 12, versículo 14, está escrito: ‘E não é de admirar, pois o próprio Satanás se transforma em anjo de luz’. Em Mateus 24, o versículo 24 diz: ‘Pois surgirão falsos Cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos’. A referência ‘até os escolhidos’, com certeza quer dizer aqueles que creem num Deus supremo. O João de Abadiânia, o homem que há décadas foi visto como operador de ‘milagres’, por tudo que veio à tona, não agia em nome de Deus. Corramos dos espíritos enganadores. Não pequemos chamando-o de João de Deus.”


PLÁGIO
Hino mineiro tem outras versões
Richard Davies
Esmeraldas – MG

“Por meio da mídia, tive informações de estar perto de ser aprovada na Assembleia a oficialização do hino mineiro, cantarolado ao longo dos tempos, por todos da nossa Minas Gerais. Ao ler sobre a mina de Morro Velho, em um livro, A história de Morro Velho, salvo engano de 1955, o autor menciona estar surpreso com as festas e músicas locais, uma especificamente, que lembra uma canção do folclore inglês, Two lovely black eyes igual a nossa Oh! Minas Gerais. Constatei que há uma interpretação de Stanley Holloway. E mais: que seria uma composição de Charles Coburn datada de 1886. Assim, parece-me não ser original do nosso cancioneiro e, segundo afirma Eugene Chubrow, há canções idênticas, como a italiana Vieni sul mar e a boliviana Oh! Linda La Paz, além de outra versão russa. Assim, nosso futuro hino parece ser plágio...É pena, pois em toda a nossa Minas Gerais temos compositores fantásticos que poderiam compor nosso hino, além da maravilhosa canção que até pouco tempo era fundo musical do programa Terra de Minas, com interpretação de Paula Fernandes de Estado diamante.”


Publicidade