Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Uma pausa na guerra comercial

Neutralidade é a melhor postura que o governo brasileiro pode adotar


postado em 04/12/2018 05:03


A trégua na guerra comercial entre Estados Unidos e China, decidida durante a reunião do G-20, ocorrida em Buenos Aires, foi um alívio para o mundo. O acirramento do conflito poderia levar à desaceleração econômica em escala global. O Brasil não seria poupado. As duas nações são as maiores parceiras comerciais do país, seguidas da Argentina, o terceiro maior mercado para os produtos brasileiros.

Segundo o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil, José Augusto Castro, a China é a maior compradora de commodities (28% da produção brasileira); os Estados Unidos adquirem manufaturados e commodities (12%); e a Argentina, só manufaturados (8% antes da crise, que provocou uma queda para 6,5%). Ou seja, quase 48% da produção brasileira para exportação está distribuída entre esses três países.

No último trimestre, chegou a 40% a queda nas vendas de mercadorias para os argentinos. Neste ano, o país vizinho amargou perda de 17 milhões de toneladas de soja. Tamanha frustração de safra, aliada à crise econômica do país, impactou na importação dos produtos brasileiros. Ainda assim, é o maior mercado do continente para os produtos nacionais.

As condições impostas pelos Estados Unidos e, temporariamente, aceitas pela China, podem afetar os interesses brasileiros. A exigência do presidente Donald Trump de que os chineses comprem mais produtos agrícolas norte-americanos pode baixar a cotação e a quantidade de commodities brasileiras – principalmente soja – direcionadas ao líder do mercado asiático. Mas não é só isso: o rebanho suíno da China, afetado por uma peste, deverá ser quase todo sacrificado, o que implica menos necessidade de importar farelo de soja produzido no Brasil.

Em meio a tamanho imbróglio, neutralidade é a melhor postura que o governo brasileiro pode adotar, recomendam os especialistas. O Brasil é ator coadjuvante nesse cenário. Um desequilíbrio nas relações com qualquer um dos parceiros poderá comprometer ainda mais a economia nacional. O crescimento da economia deverá encerrar o ano em 1,4%. Para 2019, a projeção é de que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 3%. Qualquer turbulência poderá desviar a nau brasileira desse rumo.

Vários fatores – entre eles, carga tributária, logística e juros – retiram competitividade dos produtos nacionais, o que impede a busca por novos mercados. Tais amarras têm de ser revistas pelo futuro governo, que tomará posse em 1º de janeiro. Há consciência de que a solução não virá da noite para o dia, mas é fundamental que seja construída. O Brasil dispõe de elementos suficientes para sair do condição de emergente para país desenvolvido, desde que o custo de produção permita a conquista de novos mercados.


Publicidade