Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Poder da equidade

Os negócios femininos são reconhecidos por possuir maior engajamento social


postado em 01/12/2018 05:05

 

 

 

 




Este mês comemora-se o Dia Global do Empreendedorismo Feminino. Criada em 2014, a data merece uma celebração pelas conquistas já alcançadas, mas também pede reflexões sobre a importância do aumento da presença feminina para o desenvolvimento socioeconômico mundial. Dados do relatório “Situação da População Mundial 2017”, do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), apontam que a promoção da igualdade de gênero poderia somar US$ 28 trilhões ao PIB global. Mesmo representando metade da população mundial, a participação das mulheres na força de trabalho, nos cargos de liderança e no PIB global ainda não acompanha essa proporção.

Quando lembramos que há apenas 30 anos, com a Constituição de 1988, as mulheres brasileiras foram reconhecidas como iguais perante os homens em direitos e deveres é que enxergamos como são recentes algumas das mais importantes conquistas femininas. Mas avançamos rápido: segundo o último relatório Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em parceria com o Sebrae, as brasileiras correspondem a 51% dos empreendimentos em fase inicial do país. Embora sejam responsáveis por mais da metade das empresas abertas, a participação delas cai para 14,3% quando falamos de negócios estabelecidos, dado que revela que as empreendedoras encontram mais obstáculos que os homens para que seus negócios prosperem. Uma das causas é a falta de autoestima financeira, fator apontado em pesquisas como limitador do empreendedorismo feminino. Ocorre quando, mesmo com dinheiro 'em caixa', algumas mulheres não se apropriam do universo financeiro em suas vidas ou empresas. Costumam delegar a gestão financeira por falta de afinidade, experiências e referências, por achar se tratar de um território masculino.

Analisar os erros e acertos deste percurso pode orientar os próximos passos da jornada. Quem já percebeu a importância de incentivar a participação da mulher na economia, fornecendo ferramentas para seu desenvolvimento dentro de uma companhia ou liderando sua própria empresa, entende o quanto esse movimento é sustentável. Diversas instituições dedicam-se a transformar esse cenário, pois acreditam nos benefícios de um ambiente de trabalho mais inclusivo.

Analisando apenas o gênero, quando comparadas com as demais, as companhias com práticas avançadas de equidade apresentaram probabilidade 21% maior de ter margem Ebit superior, além de possibilidade 27% maior de criar valor no longo prazo, de acordo com o estudo “Diversidade como alavanca de performance”, divulgado pela Mckinsey em 2018. E não se trata apenas de resultado financeiro, mas também de impacto positivo, já que negócios femininos são reconhecidos por possuír maior engajamento social.

Dar visibilidade ao tema, inspirando inclusive a participação das novas gerações, oferecer ferramentas para que as mulheres assumam de forma confortável a gestão financeira de seus negócios, além de incentivar o trabalho em rede, por meio de parcerias que possibilitem uma visão estratégica, são aspectos fundamentais para fomentar o tema no Brasil. A soma de todos esses fatores leva ao empoderamento das mulheres e seus impactos positivos entre todos, um movimento poderoso que precisa de muita energia, união entre empresas e sociedade civil e força para alcançar a tão sonhada equidade.


Publicidade