Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tenebrosas transações

Os processos em que Lula é reu mostram que o Brasil está mudando de verdade


postado em 28/11/2018 05:05

 

 

 

 


A nova denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora por lavagem de dinheiro, por ter usado seu prestígio com o presidente da Guiné Equatorial, na África, em benefício de empresa brasileira, vem apenas demonstrar, claramente, a sequência de malfeitos em que o ídolo maior do Partido dos Trabalhadores (PT) se envolveu, antes e depois de exercer o cargo mais importante do República. Em troca de sua influência junto ao mandatário africano, Lula teria recebido, através de "doação" ao instituto que leva seu nome, R$ 1 milhão, de acordo com denúncia apresentada à Justiça pela força-tarefa da Operação Lava-Jato em São Paulo.

Além de já ter sido condenado a 12 anos e um mês de prisão, em segunda instância, pela Justiça Federal, também por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no caso do triplex do Guarujá, no litoral paulista, o petista responde a vários outros inquéritos. Recentemente, foi interrogado pela juíza Gabriela Hardt, substituta do juiz Sergio Moro na Lava-Jato – ele foi indicado para ser o futuro ministro da Justiça –, que chegou a advertir o ex-presidente no início do depoimento, pelo comportamento arrogante e desafiador do réu.

A magistrada é a responsável pelo processo que investiga as reformas no sítio de Atibaia, interior paulista, em que Lula é acusado de receber propina por meio de reformas na propriedade rural. Mais denúncias contra Lula, entre outras, dizem respeito à liberação de verbas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obra realizada pela empreiteira Odebrecht em Angola; recebimento de vantagens indevidas por meio de recursos ilegais para aprovação de medida provisória beneficiando montadoras de veículos; esquema de cartel e corrupção na Petrobras; e tráfico de influência na compra, pela Força Aérea Brasileira (FAB), dos caças Gripen suecos.

No caso da denúncia atual, o Ministério Público Federal (MPF) não deixa dúvidas de que o ex-presidente usou toda a sua influência junto ao misto de ditador e presidente da Guiné Equatorial, no poder desde 1979, após promover um golpe militar, para a ampliação dos negócios do grupo brasileiro ORG naquele país. Na avaliação dos procuradores federais envolvidos nas investigações, o dinheiro depositado como doação para o Instituto Lula não passaria de pagamento de vantagem indevida a Lula. Portanto, nada mais do que uma dissimulação, o que configuraria crime de lavagem de dinheiro.

A tentativa dos advogados de defesa do petista de desqualificar o exemplar trabalho da Lava-Jato para desbaratar o maior esquema de corrupção que já se viu no Brasil não surtirá efeito. Muito menos a cantilena dos cegos seguidores do representante maior do lulopetismo de que a Justiça do país promove sistemática perseguição política ao homem que manchou sua história ao se deixar seduzir pelas armadilhas do poder. Os processos em que Lula é reu mostram que o Brasil está mudando de verdade e que qualquer cidadão, não importa quem quer que seja, tem de responder pelos seus atos na Justiça. Assim funciona o Estado democrático de direito.





Frases


"O que Guedes nos disse foi
como música, é aquilo
que a Abimaq prega"

.João Carlos Marchesan, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), depois de participar de uma reunião com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes
  
"Aumento do Judiciário
trará impacto de R$ 1,4 bilhão para a União"
 
. Esteves Colnago, ministro do Planejamento, sobre o reajuste de salários do Judiciário

 

 


Publicidade