Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Os ris­cos da bi­tri­bu­ta­ção dos nas­ci­dos nos EUA


postado em 02/11/2018 05:07

Pa­ra en­fren­tar a du­ra cri­se bra­si­lei­ra, ca­da vez mais mu­lhe­res grá­vi­das das clas­ses mé­dia e al­ta es­tão via­jan­do pa­ra dar à luz nos Es­ta­dos Uni­dos. Im­pul­sio­na­dos por ce­le­bri­da­des que fi­ze­ram o mes­mo, e ten­do à dis­po­si­ção in­clu­si­ve pro­gra­mas sé­rios, or­ga­ni­za­dos por mé­di­cos re­no­ma­dos, os fi­lhos de mui­tos ca­sais bra­si­lei­ros já ob­ti­ve­ram a na­cio­na­li­da­de nor­te-ame­ri­ca­na.

Os EUA ado­tam co­mo cri­té­rios de atri­bui­ção de na­cio­na­li­da­de ori­gi­ná­ria tan­to o jus so­li quan­to o jus san­gui­ni. Des­sa for­ma, são con­si­de­ra­dos na­cio­nais nor­te-ame­ri­ca­nos tan­to os nas­ci­dos na­que­le ter­ri­tó­rio quan­to os fi­lhos de pai ou mãe nor­te-ame­ri­ca­nos. 

A cri­se eco­nô­mi­ca e so­cial, alia­da à des­cren­ça no fu­tu­ro do país, faz com que pais bra­si­lei­ros de­sem­bol­sem cer­ca de US$ 40 mil em trans­por­te, hos­pe­da­gem e des­pe­sas mé­di­co-hos­pi­ta­la­res. A re­com­pen­sa: a tão so­nha­da na­cio­na­li­da­de ame­ri­ca­na, com di­rei­to a per­ma­nên­cia e li­vre cir­cu­la­ção no país, pos­si­bi­li­da­des de es­tu­do e tra­ba­lho. En­fim, o “so­nho ame­ri­ca­no”.

Mas há um fa­to des­co­nhe­ci­do do gran­de pú­bli­co. Jun­to com os di­rei­tos, te­mos os de­ve­res. O di­rei­to ao pas­sa­por­te nor­te-ame­ri­ca­no é acom­pa­nha­do pe­lo de­ver de re­co­lher tri­bu­tos jun­to ao Ser­vi­ço da Re­cei­ta Fe­de­ral dos Es­ta­dos Uni­dos (In­ter­nal Re­ve­nue Ser­vi­ce – IRS), mes­mo que es­se bra­si­lei­ro nun­ca ve­nha a re­si­dir ou tra­ba­lhar nos EUA.

Is­so por­que os EUA ado­tam a cha­ma­da tri­bu­ta­ção pe­la na­cio­na­li­da­de (Ci­ti­zenship-ba­sed ta­xa­tion – CBT). Des­sa for­ma, se­gun­do o or­de­na­men­to ju­rí­di­co nor­te-ame­ri­ca­no, to­dos os seus na­cio­nais es­tão su­jei­tos à tri­bu­ta­ção, in­de­pen­den­te­men­te de on­de au­fe­ri­ram sua ren­da ou pos­suam in­ves­ti­men­tos. 

As­sim, são su­jei­tos à tri­bu­ta­ção pe­los ór­gãos fis­cais da­que­le país to­dos os na­cio­nais ame­ri­ca­nos, in­de­pen­den­te­men­te do país de sua re­si­dên­cia ou do­mi­cí­lio, ou da ori­gem de sua ren­da. O sis­te­ma nor­te-ame­ri­ca­no re­co­nhe­ce, pa­ra tais fins, que são equi­pa­rá­veis a na­cio­nais (US per­sons), os na­cio­nais es­ta­du­ni­den­ses (nu­ma com­preen­são am­pla, se­jam ci­da­dãos ou não), re­si­den­tes ou não em so­lo nor­te-ame­ri­ca­no, os ti­tu­la­res de green card e de al­gu­mas mo­da­li­da­des de vis­tos. 

Por tais ra­zões, os fi­lhos de bra­si­lei­ros nas­ci­dos nos EUA (ti­tu­la­res, por­tan­to, da na­cio­na­li­da­de ame­ri­ca­na), mes­mo que te­nham no Bra­sil do­mi­cí­lio e não se en­con­trem no exer­cí­cio de di­rei­tos e obri­ga­ções ine­ren­tes à ci­da­da­nia da­que­le Es­ta­do, su­jei­tam-se, pe­la lei nor­te-ame­ri­ca­na, à tri­bu­ta­ção por suas au­to­ri­da­des fis­cais.

O Ser­vi­ço da Re­cei­ta Fe­de­ral dos Es­ta­dos Uni­dos con­si­de­ra a ren­da glo­bal do in­di­ví­duo, im­pon­do-lhe de­cla­rar to­do ren­di­men­to fi­nan­cei­ro, as­sim com­preen­di­do a ren­da de tra­ba­lho, as­sa­la­ria­do ou não, bem co­mo in­ves­ti­men­tos e gan­hos de ca­pi­tal com ven­da de imó­veis ou de ações, es­tan­do su­jei­tos à tri­bu­ta­ção ame­ri­ca­na, in­de­pen­den­te­men­te do ter­ri­tó­rio em que ocor­re­ram. 

As­sim, um jo­vem bra­si­lei­ro, nas­ci­do nos EUA, que pas­sa a tra­ba­lhar e au­fe­rir ren­da no Bra­sil, en­con­tra-se su­jei­to às obri­ga­ções tri­bu­tá­rias bra­si­lei­ras (por fa­tos ge­ra­do­res que te­nham co­ne­xão com o nos­so or­de­na­men­to ju­rí­di­co), e tam­bém nos EUA, pe­los mes­mos ren­di­men­tos aqui tri­bu­tá­veis. Uma vez in­for­ma­do, se­ja pe­la ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra, se­ja pe­lo pró­prio go­ver­no bra­si­lei­ro, o IRS po­de ado­tar me­di­das em ter­ri­tó­rio nor­te-ame­ri­ca­no vi­san­do à co­bran­ça dos im­pos­tos. 

E ain­da que es­se jo­vem não pos­sua ati­vos nos EUA que se­jam pas­sí­veis de blo­queio ou ar­res­to pa­ra fins de pa­ga­men­to de obri­ga­ções tri­bu­tá­rias iden­ti­fi­ca­das pe­las au­to­ri­da­des fis­cais ame­ri­ca­nas, com a pro­mul­ga­ção do Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil de 2015 exis­te a pos­si­bi­li­da­de de ho­mo­lo­ga­ção de sen­ten­ça es­tran­gei­ra pa­ra fins de exe­cu­ção fis­cal, abrin­do, por­tan­to, ca­mi­nho pa­ra que uma dí­vi­da fis­cal jun­to aos EUA ve­nha a ser co­bra­da no Bra­sil.

A na­cio­na­li­da­de é o vín­cu­lo ju­rí­di­co-po­lí­ti­co mais im­por­tan­te que li­ga o in­di­ví­duo ao Es­ta­do. A re­la­ção que se es­ta­be­le­ce, por­tan­to, ul­tra­pas­sa a ques­tão afe­ti­va, cul­tu­ral e eco­nô­mi­ca. No ca­so do ba­by boom de bra­si­lei­ri­nhos nos EUA, por mais bem-in­ten­cio­na­dos que se­jam os pais, não po­dem des­co­nhe­cer que, além das van­ta­gens, há tam­bém os ônus de se­rem nor­te-ame­ri­ca­nos. Só com es­sa re­fle­xão, pré­via e cons­cien­te, o ges­to de amor que pos­si­bi­li­te o pas­se ao “so­nho ame­ri­ca­no” po­de dei­xar de se tor­nar um “pre­sen­te de gre­go”. 


Publicidade