UAI
Publicidade

Estado de Minas CASO WANDERSON

Homem que matou 3 em Goiás passa por audiência de custódia amanhã (6/12)

Criminoso é acusado de matar companheira grávida de 4 meses, enteada de 2 anos e 9 meses e um vizinho. Em segunda, tentou estuprar uma mulher


05/12/2021 16:27

Wanderson
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )

Detido no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, Wanderson Mota Protácio, 21 anos, aguarda por julgamento da justiça. O criminoso é acusado de matar a companheira grávida de 4 meses, a enteada de 2 anos e 9 meses e o vizinho de 73 anos. A previsão é que Wanderson passe por audiência de custódia nesta segunda-feira (6/12), de acordo com informações da Administração Penitenciária de Goiás.


Atualmente, o assassino confesso está em uma cela isolada dos demais detentos, seguindo a determinação da Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO). O anúncio da medida foi feito ainda no último sábado (4/12) pelo titular da pasta, Rodney Miranda. "Determinei para arrumar uma sala para ele, ele vai ficar, em princípio, sozinho, em Aparecida", explicou o secretário.

Ao Correio, Rodney falou sobre a decisão de manter Wanderson isolado. "Criminosos que cometem crimes contra mulheres e crianças, e principalmente tentativa de estupro, ficam em principio de seguro. Outro fator é que ele é um sujeito de alta periculosidade, e celas de segurança máxima já são, geralmente, individuais", destaca.

Durante coletiva de imprensa realizada após Wanderson ter se entregado à polícia, Rodney destacou que "quem o obrigou a tomar essa decisão foi a situação de estratégia montada pela polícia". "O cerco foi apertando cada dia mais e ele sabia que estava sem alternativas", garante.

Desde o último domingo (28/11), quando matou a companheira, a enteada e o vizinho em Corumbá de Goiás, Wanderson está foragido. Na fuga, ele passou por Alexânia, Abadiânia e Gameleira.

Denúncias

 
Titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Rurais, Rafaela Azzi, explicou ao Correio que Wanderson tinha à disposição água e alimentos. "A região em que ele estava havia água, moradias abandonadas e disposição de frutas, que podem ter o ajudado, como manga, goiaba e seriguela. Ainda assim, quando ele pediu acolhida na casa (de Cinda, mulher que o convenceu a se entregar), ela relata que ele estava esfomeado e que comeu muito vorazmente", pontua Rafaela.

Tenente-Coronel Comandante do Batalhão Rural da Polícia Militar de Goiás, André Luz de Carvalho, destaca que o trabalho desenvolvido pelo Batalhão colaborou na eficiência das buscas pelo foragido. "Temos uma metodologia que se baseia no cadastramento dessas propriedades (rurais), que seria basicamente o endereçamento de cada propriedade rural que visitamos. Ela recebe uma placa de georreferenciamento. Também envolvemos o produtor rural em grupos de mensagens, para tornar ele um promotor de segurança pública", destaca.

Em relação a ajuda da população, André destacou que, em comparação com o caso Lázaro, as denúncias das buscas por Wanderson foram mais assertivas. "O número de denúncias foi bem menor, e todas elas foram devidamente checadas. Mas essa ajuda da população continua sendo uma ferramenta importante", avalia.

Lázaro

 
Durante a coletiva deste sábado (4/12), Rodney explicou os motivos para as buscas por Wanderson terem um quantitativo menor de agentes. "O outro (Lázaro) já tinha um histórico de fuga e violência e confronto com a polícia e as autoridades. Ele veio fugindo para cá (Goiás) cometendo atrocidades. Gritava para a polícia que não ia se entregar. Então nós precisamos mobilizar um número maior de profissionais na primeira semana e fazer uma exposição da figura dele, para ter subsídio e poder capturá-lo, porque ele foi para uma região que conhecia muito bem. Os dois tinham alto nível de periculosidade, mas perfis diferentes", explica.

Crimes:

Veja a lista completa de crimes e penas

Maranhão

Homicídio qualificado: era menor de idade e poderia responder pelo crime até os 21 anos. Vale lembrar que o homem já passou desta idade.

Goianápolis

Tentativa de feminicídio: de 12 a 30 anos.

Minas Gerais

Latrocínio: de 20 a 30 anos.

Corumbá
 
Feminicídio: até 30 anos
Aborto: até 10 anos
Furto qualificado: até 8 anos
Porte de arma: até 4 anos
Homicídio qualificado: até 30 anos
Latrocínio: até 30 anos
As penas de Corumbá podem ser aumentadas e a condenação pode chegar a 157 anos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade