UAI
Publicidade

Estado de Minas GERAL

COP-26: acordo não satisfaz a todos, mas é bom compromisso, diz secretária da ONU


14/11/2021 18:35

"Nenhum acordo seria o pior resultado possível. Ninguém ganha", disse Patricia Espinosa, a secretária do clima das Nações Unidas, à Associated Press neste domingo, 14, cerca de 15 horas depois de quase 200 nações concordarem com o que agora está sendo chamado de Pacto Climático de Glasgow. "Isso não satisfaz totalmente a todos", afirmou. "Mas nos leva para a frente. É um bom compromisso", afirmou na entrevista.

O mundo conseguiu um acordo sobre o clima que, segundo especialistas externos, mostrou progresso, mas não sucesso. Não atingiu nenhum dos três objetivos da ONU: promessas que reduziriam as emissões mundiais de dióxido de carbono em cerca de metade, US$ 100 bilhões em ajuda climática anual de países ricos para países pobres e metade desse dinheiro para ajudar o mundo em desenvolvimento a se adaptar aos danos do aquecimento global.

Ainda mais decepcionante, uma grande economia mundial - a Índia - que já está passando por secas e calor extremo devido ao aquecimento global foi a nação que diluiu o acordo final com Glasgow. O compromisso era essencial quando uma proposta de última hora quase acabou com a chance de possível acordo.

"Estou satisfeita", disse Espinosa. "Acho que é um resultado muito positivo no sentido de que nos dá uma orientação muito clara sobre o que precisamos fazer nos próximos anos."

Um acordo climático por si só não bastará para limitar o aquecimento a 1,5 graus Celsius desde os tempos pré-industriais, disse Espinosa. Mas ela afirmou que isso define o cenário, criando um mercado de carbono, permitindo que mais dinheiro flua dos países ricos para os pobres, mesmo que os países pobres estejam insatisfeitos e digam que não é suficiente.

A Índia, o terceiro maior poluidor de carbono do mundo, cujo desenvolvimento é centrado no carvão, disse que não poderia permitir a linguagem histórica que pede a "eliminação" do carvão e o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis. Para muitos dos países, especialmente as pequenas nações em ilhas, que enfrentam ameaças da elevação dos mares, acabar com o carvão é fundamental para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e tentar manter o aquecimento a um nível que permitiria que suas nações sobrevivam. Muitos países estavam dizendo a Espinosa e ao presidente da conferência, Alok Sharma, que a linguagem de eliminação do carvão "tem que estar lá". Mas nenhum acordo ou acordo sem a Índia era inaceitável.

Neste contexto, apareceram uma série de pequenas negociações. Muitas diante das câmeras, o que Espinosa disse ser importante para o mundo. Pequenas nações insulares foram consultadas. Elas não gostaram, mas assim como Espinosa e o enviado climático dos EUA John Kerry disseram não ter escolha. A Índia teria preferido nenhuma menção ao carvão, Espinosa disse. Em vez disso, a Índia propôs que a "eliminação gradual" se tornasse uma "redução gradativa" e país após país disseram que odiavam a ideia, mas a aceitavam. "Acho que é um exemplo claro de compromisso", disse Espinosa. Fonte: Associated Press.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade