Publicidade

Estado de Minas VIOLÊNCIA INFANTIL

Operação contra exploração sexual resgata 111 crianças e adolescentes

Ação se deu em rodovias estaduais e federais e resultou em 126 prisões em todo o país


28/05/2021 16:29

(foto: Divulgação/Ministério da Justiça)
(foto: Divulgação/Ministério da Justiça)

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e polícias militares fizeram o resgate de 111 crianças e adolescentes vítimas de exploração sexual ou em situação de vulnerabilidade em pontos de rodovias estaduais e federais. As ações, ocorridas entre o dia 14 de maio e esta sexta-feira (28/5), foram integradas entre os ministérios da Justiça e Segurança Pública e da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, e resultou em 126 prisões em todo o país. 

Foram duas operações, uma em rodovias estaduais (Operação Parador 27), envolvendo também as polícias militares, e outra em rodovias federais (Oneesca IV). No caso da primeira, foram resgatadas 80 crianças nessas situações. Já na Oneesca IV, foram 10 crianças e adolescentes em situação de exploração sexual de 21, em situação de vulnerabilidade. Neste caso, são jovens em pontos vulneráveis, como postos de combustíveis, sem a presença dos pais.
O secretário de Operações Integradas, Alfredo Carrijo, explicou que a PRF já tem essa como uma operação permanente, e agora o Ministério da Justiça vislumbrou a possibilidade de fazer uma integração, com apoio da PM e do MMFDH. Segundo ele, o escopo da operação é muito mais em caráter preventivo do que repressivo. “É muito importante para o Ministério da Mulher ter esse mapeamento dos pontos críticos em território nacional, onde pode ocorrer essa exploração sexual. Os objetivos seriam prevenir e reprimir exploração sexual, intensificar a fiscalização e fazer a integração”, afirmou.

Questionado se esperava um resultado mais expressivos, com mais crianças resgatadas, o ministro da Justiça, Anderson Torres, afirmou que esperava o número “zero”. “Mas a gente sabe que a realidade não é essa. Uma criança tirada de um momento desse, de uma violência dessa, a gente já ganhou”, afirmou. Segundo ele, o importante é colocar serviços de inteligência na atuação para acabar com as redes de exploração sexual, inclusive na internet e em outras localidades, ao mesmo tempo em que se faz trabalho repressivo e preventivo nas rodovias e nos bares, restaurantes.

“Locais em que essas crianças são usadas. Isso a gente vai fazer constantemente. Quando sai numa operação de prevenção, é muito difícil se medir os resultados, do que vai achar. Às vezes encontra zero, às vezes encontra mil. Assim é com droga, com exploração sexual. Acho que não tinha uma grande expectativa de número maior ou menor. É fazer o trabalho, estar presente nesses locais e evitar que essas práticas ocorram”, afirmou.

A ministra da Mulher, Damares Alves, afirmou que após resgatadas, aciona-se uma rede de proteção, envolvendo Conselhos Tutelares e a Secretaria de Direitos Humanos, para cuidar dessas crianças e adolescentes. De acordo com ela, a intenção é desenvolver na pasta pesquisas sobre a correlação do abuso sexual com o uso de droga, suicídio e doenças mentais. A ministra ressaltou que nem sempre o abusador é também o explorador. “A exploração econômica geralmente se dá na rua, nos motéis. O abuso, em sua maioria, é dentro de casa. Tem que fazer essa diferença no perfil do agressor”, afirmou.

DF

No DF, a Oneesca IV resultou em 10 pontos fiscalizados, mas não houve nenhuma pessoa resgatada. Ainda assim, segundo o ministro, que já foi secretário de Segurança Pública do DF, a situação na região é difícil. “Aqui, a gente tem feito um trabalho de inteligência, rodovias, bares, restaurantes, boates, mas é um crime que ocorre muito dentro de casa, em ambientes fechados, ocorre às vezes onde o estado não consegue chegar, não consegue atuar de forma preventiva, e isso é muito grave”, disse.

Segundo ele, por isso é importante ações para incentivar a população a denunciar. Torres afirmou que talvez esteja no momento de lançar uma campanha nacional sobre o assunto. A ministra Damares, por sua vez, afirmou que não há crianças resgatadas no DF porque a Secretaria de Segurança fez um trabalho extraordinário. “Quando eu vejo o zero no DF, meu sonho é ver zero no Brasil inteiro”, disse.

Confira os números (até a última quinta-feira, 27):

Operação Parador 27 (rodovias estaduais) — indicadores parciais
80 pessoas resgatadas (dado até esta sexta-feira, 28)
1.508 locais fiscalizados;
947 bares/casas noturnas fiscalizados;
5.925 veículos fiscalizados;
11.943 pessoas abordadas;
2438 kg de droga apreendida;
84 pessoas presas
6.439 pessoas alcançadas
8 armas apreendidas
4.075 efetivo empregado

Oneesca IV (rodovias federais)
3.451 pontos levantados — 47% maior que no biênio anterior;
470 pontos críticos;
60,5% pontos vulneráveis em áreas urbanas;
44% dos pontos são postos de combustíveis
1.109 pontos fiscalizados
11.712 pessoas alcançadas;
10 crianças/adolescentes resgatadas em situação de exploração sexual;
21 crianças/adolescentes resgatadas em situação vulnerabilidade;
42 pessoas detidas


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade