Publicidade

Estado de Minas

País bateu recorde de mortes em 2020


16/01/2021 04:00

O ano de 2020 ficará marcado como o de maior número de mortes no Brasil, segundo as Estatísticas Vitais de Óbitos do Registro Civil. O principal motivo para esse triste recorde tem nome: COVID-19. A pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 208 mil brasileiros, trouxe danos irreparáveis. Dados do Portal da Transparência, plataforma administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), registraram 1.443.405 milhão de mortes em todo o país no ano passado. Aumento de 8,3% comparado a 2019. Também superou a maior média de variação anual de mortes, que era de 1,9%.

A estatística pode ficar ainda maior, bem como a variação da média anual, visto que os prazos para o registro de óbitos chegam a demorar até 15 dias entre o falecimento e o lançamento no Portal da Transparência. Alguns estados do país ampliaram o prazo para registrar as mortes diante da situação calamitosa por causa da COVID-19. Além disso, a crise causada pela pandemia se refletiu em outras doenças, que tiveram aumento significativo na variação entre 2019 e 2020. As mortes em decorrência de doenças respiratórias cresceram 34,9%, passando de 442.266 para 596.678. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) foi a que mais se alastrou, registrando alta de 998,4%, seguida pelas mortes de causas indeterminadas, que subiram 33,4%.

Já as mortes por doenças cardíacas, que têm ligação direta com a COVID-19, aumentaram 5,1% em comparação com 2019, indo de 270.203 para 284.117. As Causas Cardiovasculares Inespecíficas tiveram a maior incidência entre essas doenças, com crescimento de 28,8%. São aquelas em que a morte ocorre sem assistência médica, o que dificulta a identificação da real causa. Muitos dos óbitos foram em casa, e isso pode explicar o aumento de mortes com diagnóstico inespecífico por doenças do coração.

* Estagiário sob supervisão do subeditor  Paulo Nogueira

PANELAÇO

A situação caótica da saúde em Manaus causou panelaços no Brasil inteiro ontem à noite contra o governo federal. O protesto foi convocado pelo apresentador Luciano Huck pelas redes sociais. Vídeos enviados ao Estado de Minas mostraram o protesto na capital mineira. No Bairro São Pedro, Região Centro-Sul de BH,  moradores foram às janelas aos gritos de “fora Bolsonaro”, além de reproduzir sons por meio das panelas. Outros bairros da capital também registraram panelaço, como o Santo Antônio, Sion e Funcionários. Neste último, moradores chegaram a chamar Bolsonaro de "assassino", por causa das vidas perdidas pela COVID-19, sobretudo pela falta de oxigênio para pacientes com dificuldades respiratórias em Manaus. Houve panelaço também nas demais regiões.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade