Publicidade

Estado de Minas BOA AÇÃO

Professor mobiliza 53 mil voluntários para pagar inscrições de negros no Enem

Cristiano Ferraz, educador em Pernambuco, criou o movimento no Instagram e já pagou a taxa de R$85 para 120 estudantes pelo Brasil


postado em 13/06/2020 21:15 / atualizado em 13/06/2020 21:21

A demanda foi tão grande que Cristiano precisou montar uma rede de apoio (foto: MEC/Reprodução)
A demanda foi tão grande que Cristiano precisou montar uma rede de apoio (foto: MEC/Reprodução)

O movimento de um professor nas redes sociais beneficiou 120 estudantes negros, de 20 estados brasileiros, a pagarem suas inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Em três dias, cerca de 53,2 mil pessoas se voluntariaram e R$ 4,5 milhões foram arrecadados a fim de custear os boletos daqueles alunos quem não tem condições de arcar com o valor de R$ 85. 
 
Professor de Inglês na cidade de Petrolina, Sertão do estado, Cristiano Ferraz, de 26 anos, iniciou o movimento com uma publicação no Instagram, no dia 3 de junho. Através de sua rede de contatos de educação e cursinhos populares, em poucas horas recebeu uma enxurrada de inscrições de voluntários, solidários à causa. 

"Vivemos tempos muito complicados no Brasil e no mundo, politicamente. As pessoas abraçaram a oportunidade de ajudar além das hashtags. Eu não esperava 50 adesões e passamos das 50 mil em 72 horas", afirmou Ferraz em entrevista à Revista Época. 

 A demanda foi tão grande que Cristiano precisou montar uma rede de apoio. Luísa Guimarães, de 25 anos, sua ex-colega de relações internacionais na USP, e mais cinco pessoas formaram o núcleo do movimento. Outras 39 ajudaram na operação. 

O Movimento Amplia, como foi posteriormente batizado, além de estudantes negros, mirou em indígenas e pessoas com vulnerabilidade social. Segundo dados do Amplia, 347 estudantes solicitaram o pagamento de sua inscrição do Enem, no entando, apesar de todos os inscritos terem sido contactados, apenas 120 conseguiram enviar o boleto e receber o benefício. 

Alguns desses estudantes conseguiram isenção de última hora. Outros enfrentaram problemas de acesso à internet. Ao todo, foram efetivamente pagos R$ 10 mil em boletos. 

 De acordo com os dados ainda, dos 120 beneficiados, 93% são negros, e 77% são mulheres. Seis em cada dez têm entre 15 e 20 anos. 53% são do Sudeste, e 31%, do Nordeste. Os estados com mais estudantes beneficiados foram Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo.

Agora, finalizadas as incrições, o movimento lançou um segundo projeto a fim de ajudar na permanência de estudantes negros e indígenas nas universidades. O Siga em Frente com os movimentos 4G para estudar e Rede Emancipa, de educação popular e pede uma colaboração de R$ 30 aos voluntário que desejem dar suporte à causa. 

"Além da solidariedade, lutamos politicamente para apoiar o acesso de minorias às universidades. Conseguir fazer a prova é só um passo. Depois, vem a permanência nos estudos", disse Luísa Guimarães.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade