Publicidade

Estado de Minas

Assessora da área da saúde é a primeira vítima do coronavírus no Distrito Federal

Viviane Rocha de Luiz, de 61 anos integrava o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). A morte por COVID-19 foi confirmada mediante contraprova realizada na Fiocruz-RJ


postado em 29/03/2020 14:16 / atualizado em 29/03/2020 14:44

Viviane Rocha de Luiz morreu na última segunda-feira (23/3) (foto: Abrasco/Divulgação)
Viviane Rocha de Luiz morreu na última segunda-feira (23/3) (foto: Abrasco/Divulgação)


O Distrito Federal registra o primeiro óbito por infecção do novo coronavírus. A vítima Viviane Rocha de Luiz, de 61 anos, assessora técnica e responsável pela Câmara Técnica de Vigilância Sanitária do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Ela morreu no fim da manhã da última segunda-feira (23/3), mas o caso não foi divulgado. Isso ocorreu porque o primeiro exame específico de Covid-19 deu negativo, o segundo inconclusivo. Somente um terceiro exame, de contraprova, realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, deu positivo.
 
Viviane deu entrada no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) na madrugada no domingo passado (22/3). Ela estava com febre e desconforto respiratório. Ela teve contato com um paciente confirmado com coronavírus, de São Paulo. Entre as comorbidades, a assessora técnica tinha obesidade mórbida, hipertensão arterial sem tratamento e era ex-fumante.

A paciente ficou internada, no entanto, o caso se agravou. Ela faleceu às 11h40 de segunda-feira (23), após uma parada cardiorrespiratória. Especialistas realizaram um exame, que deu inconclusivo para coronavírus. O resultado da contraprova deu positivo para SAR-COV2 no sábado (28/3).

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) confirmou a morte. "Ontem, por volta da meia noite, 28, foi confirmado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz - RJ) o resultado positivo da contraprova para o novo Coronavírus (SAR-COV2). Portanto, trata-se da primeira vítima oficial do Covid-19 no Distrito Federal", informou o texto. A pasta também destacou que "todos aqueles que tiveram contato direto com a vítima estão sendo monitorados pela autoridade sanitária do Distrito Federal."
 

Família agradece atendimento


Por meio de página no Facebook, o irmão da paciente, Douglas Alessandro Rocha de Luiz, lamentou a morte de Viviane. Ele explicou que a demora para confirmar o óbito por coronavírus ocorreu porque foram oito dias para a realização dos três exames de SAR-COV2. A vítima teve o corpo cremado.
 
"Venho por aqui agradecer a todos os profissionais que se envolveram na internação, no tratamento e mesmo na preparação para cremação da minha irmã. Todos esses profissionais se expõem, todos os dias, com a saúde de seu próprio corpo e expõem sua própria família para nos ajudar. Temos que respeitá-los e facilitar tudo que pudermos para eles. Não podemos ser ingratos e injustos", frisou Douglas, texto. 
 
Ele também prestou homenagem às mensagens de apoio. "Também quero agradecer a todos os carinhos e a todas as orações que tenho recebido das pessoas maravilhosas que me cercam. Anjos em minha vida, é por isso que estou de pé. Obrigado a todos. Amo todos vocês", acrescentou. 
 
Por fim, Douglas explicou todo o processo para confirmação de que Viviane faleceu em decorrência do novo coronavírus e fez um apelo: "Foi feito um primeiro exame de sangue ,que deu negativo para coronavírus, o chamado falso negativo. No segundo exame deu inconclusivo. Usando o mesmo material genético (dos demais testes), foi feito outro exame, onde confirmou o coronavírus. Tudo isso levou cerca de oito dias para ter a confirmação. Isso quer dizer que o exame saiu quatro dias após o falecimento dela. Está muito difícil e complicado toda essa situação. Por isso respeite seu próximo. Fique em casa. Se cuide e cuide dos seus e dos outros." 
 

Nota de pesar


A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e o Grupo Temático de Vigilância Sanitária (GTVisa) divulgaram uma nota conjunta lamentando a morte de Viviane Rocha de Luiz. As entidades destacaram a importância da vítima. "É com grande pesar que recebemos e comunicamos a notícia do falecimento da companheira, Viviane Rocha de Luiz. (...) Viviane participou dos movimentos que contribuíram para a construção do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, e a partir do ano de 1999 foi uma presença e um apoio fundamental para os avanços e superação de desafios do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária e na Comissão Intergestores Tripartite-CIT", informou. 
 
"Nestes tempos de dificuldade para o Brasil e o mundo, lastimamos que seja uma das primeiras companheiras levadas pela pandemia. Viverá sempre em nossos corações e em nossa lembrança, pela alegria, companheirismo e crença num sistema de saúde inclusivo e equitativo. A ela nossa gratidão. A seus entes queridos nossa solidariedade nessa dor", finalizou o texto. 

O que é o coronavírus?

Coronavírus são uma grande família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus (COVID-19) foi descoberto em dezembro de 2019, na China. A doença pode causar infecções com sintomas inicialmente semelhantes aos resfriados ou gripes leves, mas com risco de se agravarem, podendo resultar em morte.

Como a COVID-19 é transmitida?

A transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão, contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Como se prevenir?

A recomendação é evitar aglomerações, ficar longe de quem apresenta sintomas de infecção respiratória, lavar as mãos com frequência, tossir com o antebraço em frente à boca e frequentemente fazer o uso de água e sabão para lavar as mãos ou álcool em gel após ter contato com superfícies e pessoas. Em casa, tome cuidados extras contra a COVID-19.

Quais os sintomas do coronavírus?

Confira os principais sintomas das pessoas infectadas pela COVID-19:

  • Febre
  • Tosse
  • Falta de ar e dificuldade para respirar
  • Problemas gástricos
  • Diarreia


Em casos graves, as vítimas apresentam:

  • Pneumonia
  • Síndrome respiratória aguda severa
  • Insuficiência renal

Mitos e verdades sobre o vírus

Nas redes sociais, a propagação da COVID-19 espalhou também boatos sobre como o coronavírus é transmitido. E outras dúvidas foram surgindo: O álcool em gel é capaz de matar o vírus? O coronavírus é letal em um nível preocupante? Uma pessoa infectada pode contaminar várias outras? A epidemia vai matar milhares de brasileiros, pois o SUS não teria condições de atender a todos? Fizemos uma reportagem com um médico especialista em infectologia e ele explica todos os mitos e verdades sobre o coronavírus.

Para saber mais sobre o coronavírus, leia também:

Especial: Tudo sobre o coronavírus 

Coronavírus: o que fazer com roupas, acessórios e sapatos ao voltar para casa

Coronavírus é pandemia. Entenda a origem desta palavra

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade