Publicidade

Estado de Minas

Rio entra em estágio de crise, com risco de alagamento e deslizamento

Os operadores do Alerta Rio estão em constante comunicação com os órgãos municipais que atuam nas situações de chuva


postado em 08/04/2019 21:07 / atualizado em 08/04/2019 23:58

(foto: Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro)
(foto: Centro de Operações da Prefeitura do Rio de Janeiro)
O município do Rio passou para o estágio de crise às 20h55, devido à atuação e à permanência de núcleos de chuva em diferentes pontos da cidade, principalmente no entorno do Maciço de Tijuca. De acordo com o Alerta Rio, núcleos de chuva forte devem continuar na zona sul, na Grande Tijuca e em pontos da Barra da Tijuca. 
 
Nas últimas leituras dos pluviômetros da prefeitura, houve registro de chuva muito forte em bairros como Barra, Vidigal, Rocinha e Jacarepaguá, na zona oeste. O estágio de crise é o terceiro nível em uma escala de três e significa chuva forte a muito forte nas próximas horas, podendo causar alagamentos e deslizamentos de pedra e terra das encostas.
 
Chove há mais de 4 horas no Rio de Janeiro e o Sistema Alerta Rio informa que novos núcleos de chuva que atuam na zona sul retornaram com intensidade. A previsão é de chuva muito forte na próxima hora. Na zona oeste da cidade novos núcleos de chuva muito forte se formaram sobre a Baía de Sepetiba e devem atingir a região na próxima hora.
 
Apesar do temporal no momento ter diminuído de intensidade, os reflexos continuam afetando a vida normal da cidade. O Túnel Rebouças, principal ligação do centro com a zona sul da cidade, está fechado no sentido Lagoa, devido ao acúmulo de água na Avenida Borges de Medeiros, na saída do túnel. De acordo com o Centro de Operações da prefeitura do Rio, os motoristas que seguem para a zona sul devem optar pelo Aterro do Flamengo ou Túnel Santa Bárbara.
 
Por medida de segurança, a Avenida Niemeyer está fechada nos dois sentidos entre o Leblon e São Conrado. Os ônibus expressos articulados das linhas Transcarioca e Transolímpica estão trafegando com atraso, devido a água acumulada na ponte estaiada da Barra da Tijuca.


Publicidade