Publicidade

Estado de Minas GERAL

Prefeitura de SP homologa tombamento de 9 obras de Vilanova Artigas


postado em 25/03/2019 16:11

A Prefeitura de São Paulo homologou no sábado, 23, o tombamento de nove projetos modernistas do arquiteto João Vilanova Artigas. Dentre os imóveis, construídos a partir da década de 40, estão casas, uma escola e o estádio Cícero Pompeu de Toledo, do São Paulo Futebol Clube.

O tombamento foi decidido em reunião do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) em março de 2018, período em que mais de 70 obras modernistas também foram tombadas, com projetos ligados a nomes como Paulo Mendes da Rocha e Oswaldo Arthur Bratke.

A decisão considerou a contribuição de Vilanova Artigas, falecido em 1985, "tanto no âmbito e sua produção individual como arquiteto como no seu papel de professor e ainda de militante no IAB - Instituto de Arquitetos do Brasil, na UIA - União Internacional dos Arquitetos e na atuação política de modo amplo".

A resolução de tombamento ressalta a necessidade de "salvarguar" os imóveis para "as sociedades futuras". Além disso, destaca o "evidente reconhecimento no âmbito da cultura arquitetônica local, nacional e internacional" das obras.

A decisão recai sobre o estádio do Morumbi, na zona sul, que deverá preservar a volumetria e outras características do projeto original, o que inclui o prédio dos vestiários do São Paulo Futebol Clube. Além dele, foi tombado o Colégio 12 de Outubro, no Alto da Boa Vista, na zona sul.

As residências tombadas são: casa Vilanova Artigas I e II, no campo Belo, zona sul; Casa Rio Branco Paranhos, no Pacaembu, zona oeste; Casa Rubens de Mendonça, em Sumaré, também zona oeste; casa Mendes André, na Vila Mariana, zona sul; Casa Elza Berquó, na Chácara Monte Alegre, zona sul; Casa Telmo Porto, na Água Branca, zona oeste; e conjunto de quatro casas geminadas da Rua Sampaio Vidal, nos Jardins.

Dentre outros projetos conhecidos do arquiteto, estão o prédio da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP) e o edifício Louveira, em Higienópolis, centro expandido, que também são tombados.

Com a decisão, intervenções nas edificações tombadas precisão ser analisadas pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) e autorizadas pelo Conpresp.


Publicidade