Publicidade

Estado de Minas GERAL

Após ser dado como limpo, Rio Tietê volta a ter lama negra em Salto


postado em 03/10/2018 14:34

Uma lama escura cobriu o leito do Rio Tietê, entre a tarde de terça, 2, e a manhã desta quarta-feira, 3, na região de Salto, interior de São Paulo. No início da tarde, a cor da água continuava acinzentada em Salto, mas a mancha atingia Barra Bonita, a 230 quilômetros. O fenômeno aconteceu menos de duas semanas após ter sido anunciada uma redução de 8 quilômetros na mancha de poluição do rio, justamente no trecho de Salto. "A gente celebrou esse recuo, mas agora estamos vendo um lamentável avanço na poluição", disse a ambientalista Malu Ribeiro, do projeto Observando os Rios, da Fundação SOS Mata Atlântica.

Depois de ir à margem do Tietê, em Salto, e constatar o que chamou de "tragédia", ela acionou a Agência Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Conforme Malu, a provável causa da poluição foi a abertura das comportas de barragens na Região Metropolitana de São Paulo. "Com as chuvas de domingo na capital, as comportas foram abertas e toneladas de lixo e sedimentos que estavam acumulados junto às barragens foram mandadas para baixo. Essa descarga criou uma nata no rio que vai matando tudo."

Em 2014, uma operação semelhante nas barragens resultou na morte de 40 toneladas de peixe em Salto. Segundo Malu, isso só não aconteceu agora porque os afluentes do Tietê estão com o nível alto e os peixes se refugiaram neles. Ela disse que SOS cobra há anos que haja a retirada dessa sujeira dos reservatórios no período de seca, quando o nível está baixo. "Já são 25 anos de luta para despoluir o rio e, numa operação errada desta, todos os avanços se perdem. Vamos ter de fazer uma nova medição da mancha. Nesse momento, o rio aqui está morto", disse.

Em Barra Bonita, na manhã desta quarta, o ambientalista Hélio Palmezan, da ONG Mãe Natureza, registrou a chegada da mancha à orla turística da cidade, de onde saem os barcos para passeios no Rio Tietê. Ele percorreu de barco um trecho do rio, próximo à barragem, e encontrou peixes mortos. "A lama preta está fazendo o maior estrago. Só não é um desastre ambiental maior porque o rio está com nível alto."

A Cetesb informou ter enviado equipes para vistoriar trechos do rio próximo à região de Salto. Foram feitas coletas para análises e o resultado servirá para a adoção de medidas, segundo o órgão. A estatal paulista Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), que opera três barragens entre a capital e Salto, informou que analisa o acontecido e deve se manifestar a respeito ainda hoje.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade