Publicidade

Estado de Minas

Justiça proíbe SP de cremar 1,6 mil ossadas


postado em 24/07/2018 12:24

São Paulo, 24 - A Justiça paulista suspendeu a autorização que havia concedido em junho à Prefeitura de São Paulo para a cremação de 1,6 mil ossadas não identificadas do Cemitério da Quarta Parada, na zona leste da capital. A decisão é do dia 19, mas foi publicada nesta segunda-feira, 24. A Prefeitura afirma não ter sido notificada e também diz que esse tipo de cremação já foi feita em outras ocasiões.

No dia 12, quatro entidades de defesa dos direitos humanos apresentaram petição contra a cremação. Segundo a juíza Renata Pinto Zanetta, da 2ª Vara de Registros Públicos, os argumentos, "apesar de terem vindo à tona somente agora", apontaram o risco da irreversibilidade da cremação. A Justiça também concedeu, em caráter de urgência, pedido de vista ao Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos do Ministério Público de São Paulo, que deverá se posicionar.

"A decisão consagra a importância da dignidade da pessoa humana e a responsabilidade do poder público para cuidar e identificar os restos mortais e entregar as ossadas para suas famílias", diz Dimitri Sales, advogado e presidente do Instituto Latino-americano de Direitos Humanos (Iladh), uma das entidades que assinaram a petição.

Poder público

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que ainda não foi notificada. Ressaltou ainda que o "procedimento não é inédito, tendo sido feito pela última vez em 2005, no Cemitério Quarta Parada, quando foram cremados 2.117 ossos". A gestão Bruno Covas (PSDB) tem afirmado que a cremação é necessária tanto para a proteção ambiental quanto para criar espaços para novos sepultamentos.

As entidades também questionaram a suposta relação entre a cremação e a tentativa da Prefeitura de conceder o Cemitério da Quarta Parada à iniciativa privada. Segundo as instituições, a ação livraria o futuro concessionário de arcar com os custos e entraves burocráticos com a identificação de cada ossada.

A Secretaria de Desestatização e Parcerias nega relação com a concessão e diz que os processos administrativos relativos à cremação foram iniciados em 2013 e 2014. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

(Paulo Roberto Netto)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade