Publicidade

Estado de Minas

Mais de 80 pessoas foram presas por suspeita de incendiar veículos em MG


postado em 08/06/2018 12:18

São Paulo e Belo Horizonte, 08 - Mais de oitenta pessoas foram presas por suspeita de envolvimento na onda de ataques a ônibus, viaturas, prédios e espaços públicos em Minas Gerais. O número segue em crescimento desde domingo, dia 3 de junho.

De acordo com balanço divulgado pela Polícia Militar de Minas Gerais na manhã desta sexta-feira, 8, foram registrados 64 ataques a ônibus em 37 municípios do Estado desde o último domingo. A maioria dos alvos são cidades do sul de Minas e Triângulo Mineiro. Até o momento, 82 pessoas foram presas.

Além disso, 22 menores de idade foram apreendidos pela PM por suspeita de participação nos crimes. A PM também recolheu duas armas de fogo, materiais para queima e celulares durante as abordagens. Afirmando se tratar de informações estratégicas e operacionais, a Polícia Militar não divulgou detalhes das ocorrências envolvendo os últimos ataques.

O governador de Minas Fernando Pimentel (PT) afirma que os incêndios são uma forma de retaliação de integrantes de facções devido ao "rigor aplicado pelo Estado" nas prisões mineiras após a instalação de bloqueadores de celulares. O governo, no entanto, não afirma qual facção estaria por trás dos ataques. Na última segunda-feira, o Estado revelou que a onda de crimes foi ordenada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC).

Operação Weber

Nesta sexta-feira, a Polícia Federal, juntamente com as polícias civil e militar de Minas Gerais, deflagraram a Operação Weber em Uberaba, no Triângulo Mineiro, para prender integrantes do PCC.

Segundo informações da PF, o objetivo é "dar cumprimento a 17 mandados judiciais, sendo oito de prisão preventiva e nove de busca e apreensão, relacionados a investigação iniciada a partir dos recentes ataques a ônibus e instituições bancárias realizados na cidade de Uberaba-MG".

De acordo com a PF, todos serão indiciados por integrar organização criminosa, dano qualificado e incêndio, com penas que podem chegar a 13 anos de prisão. O nome da operação, conforme a Polícia Federal, é referência ao sociólogo alemão Max Weber, que entre seus trabalhos abordou o uso da força pelo Estado.

(Paulo Roberto Netto e Leonardo Augusto, especial para a AE)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade