Publicidade

Estado de Minas

Base de Doria critica empréstimo de R$ 1 bilhão para recapeamento


postado em 24/07/2017 12:31

Pequim, 24 - A base aliada do prefeito João Doria (PSDB) na Câmara Municipal criticou, durante o fim de semana, o pedido feito ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de R$ 1 bilhão para um novo programa de recapeamento na cidade. Para o vereador José Police Neto (PSD), integrante da base, se a Prefeitura obtiver recursos nesse volume, o dinheiro deveria ser investido na retomada de obras de creches, hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) que estão suspensas.

"A Câmara e o Tribunal de Contas do Município (TCM) não aceitarão recapeamento como investimento social jamais", disse Police. "São dois os motivos óbvios. Recapeamento não é investimento, é custeio, manutenção de vias públicas. Segundo, as vias públicas são implementadas pela Secretaria de Obras, não pelas Secretarias de Saúde, Educação nem Desenvolvimento Social."

Police disse "até imaginar a pressão que os seguidores das mídias sociais fazem", mas que misturar um serviço de manutenção com investimentos não seria algo aceitável.

O vereador afirmou ainda que essa não era a prioridade expressa pelo prefeito ao elaborar a lei que criou o Fundo Municipal de Desestatização.

Grupo dos 17

Police é um dos principais articuladores do chamado bloco dos 17, grupo de parlamentares que faz parte da base de Doria, mas que, desde o fim do primeiro semestre, passou a votar sem alinhamento garantido com o governo. Essa "rebelião" acabou por atrasar a votação de projetos de lei do prefeito ligadas à desestatização - plano que

Doria foi apresentar a investidores chineses nesta semana.

Em Pequim, o prefeito rebateu. "O asfalto da cidade é uma questão essencial e de interesse social. Estimamos que o asfalto ruim traga um aumento de 10 a 15 minutos nas viagens de ônibus. Atrapalha ambulâncias, bombeiros, polícia", afirmou. "Oito milhões de pessoas usam transporte público na cidade e merecem melhor qualidade."

Doria disse ainda que seu plano é um grande projeto de recapeamento, com tecnologias mais modernas e maior controle de qualidade e que não o vê como um serviço de manutenção. "O último plano de recapeamento foi feito há mais de 12 anos", disse.

*O repórter viajou a convite do governo chinês

(Bruno Ribeiro, enviado especial*)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade