Publicidade

Estado de Minas

Discreta despedida de Walmor Chagas

Parentes e amigos deram o último adeus a Walmor Chagas em cerimônias reservadas. Corpo foi cremado em São Paulo


postado em 20/01/2013 00:12 / atualizado em 20/01/2013 07:22

São Paulo – O corpo do ator Walmor Chagas, morto na sexta-feira com um tiro na cabeça, foi cremado ontem em São José dos Campos, no Cemitério e Crematório Parque das Flores. A cerimônia foi restrita aos amigos e parentes, que também restringiram o acesso ao velório. Peritos do Instituto de Criminalística fizeram exames para identificar possíveis restos de pólvora no corpo de Walmor Chagas e no caseiro que estava na pousada em Guaratinguetá (SP), onde o ator foi encontrado morto. As cinzas do ator serão jogadas na Serra da Mantiqueira, local onde ele morou nos últimos 30 anos.

A família de Walmor Chagas, porém, acredita que o ator se suicidou. A hipótese também é tida como a mais provável pela polícia, que investiga o caso. O ator, de 82 anos, estaria incomodado com os problemas de saúde que vinha sofrendo. De acordo com a advogada Maria Dalva Zangrandi, contratada pela família de Walmor, o ator não deixou nenhuma carta ou bilhete, mas vinha manifestando para pessoas próximas incômodo com as suas condições de vida. “Ele dependia de fisioterapeuta, fonoaudióloga e acompanhante. Tinha hipertensão e problema de estômago, que dificultava a alimentação”, contou a advogada. Mas o grande transtorno para Walmor, segundo a advogada, foi o aparecimento de catarata. “A catarata impedia que ele lesse, que sempre foi a sua grande paixão.”

No fim da manhã de ontem, a advogada conseguiu que o juiz Luiz Esteves autorizasse a liberação do corpo do ator para cremação. A polícia abriu inquérito para investigar a morte. Para a conclusão do caso, será aguardado o resultado da perícia realizada no sítio. “A hipótese mais plausível é de suicídio”, afirmou o delegado Adilson Marcondes. A arma encontrada ao lado do corpo de Walmor tinha numeração raspada, de acordo com o delegado.

CARREIRA Nascido no Rio Grande do Sul, em 1930, o ator se dividiu entre teatro, cinema e TV. Na televisão, Walmor estreou em 1965 na novela A outra, na TV Tupi. No mesmo ano, esteve em Teresa, da mesma emissora. Na TV Globo, fez longa carreira com sucessos como Corrida do ouro (1974), O grito (1974), Locomotivas (1977), entre muitas outras. Seus trabalhos mais recentes no canal foram Páginas da vida (2006) e Pé na jaca (2006). No cinema, sua última participação foi ao lado de Vladimir Brichta em A coleção invisível (2012), de Bernard Attal.

Walmor Chagas foi uma das estrelas do Teatro Brasileiro de Comédia, uma das referências de arte dramática no país nos anos 1950 e 1960, ao lado de Cacilda Becker (1921-1969), com quem se casou e teve uma filha, a cantora Maria Clara Becker, adotada pelo casal em 1964. Em março, o ator seria homenageado pelos 64 anos de teatro na cerimônia do Prêmio Shell, no Rio de Janeiro.


Publicidade