Publicidade

Estado de Minas

Coronavírus: OMS diz estar acompanhando nova mutação com autoridades do Reino Unido

Acredita-se que nova variante do coronavírus se espalhe mais rapidamente, mas não seja mais letal.


20/12/2020 22:55 - atualizado 20/12/2020 22:55

Não há evidências que sugerem que a nova mutação reaja de forma diferente às vacinas(foto: Reuters)
Não há evidências que sugerem que a nova mutação reaja de forma diferente às vacinas (foto: Reuters)
A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse estar em contato com as autoridades britânicas sobre o surgimento de uma nova variante do coronavírus.

 

A mutação está se espalhando mais rapidamente do que a versão original, mas não é considerada mais letal.

 

Grandes partes do sudeste da Inglaterra, incluindo Londres, estão agora sob um nível de restrição mais severo em uma tentativa de conter o vírus que se espalha rapidamente.

 

Não há evidências que sugiram que a nova variante reaja de maneira diferente às vacinas.

 

No domingo, a Holanda proibiu voos de passageiros do Reino Unido por causa da nova mutação. A proibição permanecerá em vigor até 1º de janeiro, disse o governo holandês.

 

A mudança ocorre depois que a Holanda encontrou, em um caso de coronavírus no início deste mês, a mesma mutação encontrada no Reino Unido.


Partes da Inglaterra entraram em um confinamento ainda mais rígido às vésperas do Natal(foto: PA Media)
Partes da Inglaterra entraram em um confinamento ainda mais rígido às vésperas do Natal (foto: PA Media)

Enquanto se aguarda "maior clareza" sobre a situação no Reino Unido, o governo holandês afirmou que "o risco de a nova cepa do vírus ser introduzida na Holanda deve ser minimizado tanto quanto possível".

 

O governo holandês também disse que trabalhará com outros estados membros da União Europeia nos próximos dias para "limitar ainda mais o risco de a nova cepa do vírus ser trazida do Reino Unido".

O que se sabe sobre a nova mutação?

A OMS tuitou que estava em contato com autoridades do Reino Unido sobre a nova mutação.

 

O órgão afirmou que o Reino Unido estava compartilhando informações de estudos em andamento sobre a mutação, e que a OMS atualizaria os Estados membros e o público "à medida que aprendermos mais sobre as características desta variante do vírus [e] quaisquer implicações".


Primeiro-ministro da Eslováquia, Igor Matovic, com presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no começo do mês(foto: Reuters)
Primeiro-ministro da Eslováquia, Igor Matovic, com presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no começo do mês (foto: Reuters)

Embora haja "considerável incerteza", o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou que a nova mutação pode ser até 70% mais transmissível do que a antiga.

 

Mas as autoridades dizem que não há evidências atuais que sugiram que a nova variante cause uma taxa de mortalidade mais alta ou que responda de forma diferente a vacinas e tratamentos.

 

"Acho que esta é uma situação que vai piorar muito as coisas, mas há também otimismo, por exemplo, quando lançarmos a vacina - presumindo que a vacina funcione contra isso [a mutação], o que no momento é nossa suposição", disse Chris Whitty, principal autoridade médica da Inglaterra.

O que está acontecendo no mundo?

No Reino Unido, o relaxamento planejado das regras de confinamento para permitir que as famílias se misturem durante o período de Natal foi descartado em grandes partes do sudeste da Inglaterra - afetando quase 18 milhões de pessoas - e reduzido para apenas o dia de Natal no resto da Inglaterra, Escócia e País de Gales.

 

A Itália ordenou um confinamento nacional durante grande parte do período de Natal e Ano Novo. O país estará sob as restrições da "zona vermelha" durante os feriados, com lojas, restaurantes e bares não essenciais fechados, e os italianos só podem viajar por motivos específicos.

 

Holanda e Alemanha impuseram confinamentos até janeiro. Na Alemanha, o Natal sofrerá uma ligeira abertura, com uma casa autorizada a hospedar até quatro parentes próximos.

 

A Áustria deve entrar em seu terceiro confinamento após o Natal. A partir de 26 de dezembro, lojas não essenciais serão fechadas e o movimento fora das residências será restrito.

 

A Suécia recomendou o uso de máscaras faciais nos transportes públicos durante a hora do rush, mudando sua orientação anterior.

 

O presidente da França, Emmanuel Macron, está em uma condição "estável" após o teste positivo para coronavírus, disse seu gabinete no sábado. Ele ainda apresenta sintomas, como tosse e fadiga, mas eles não o impedem de trabalhar, disse.

 

O primeiro-ministro da Eslováquia, Igor Matovic, que participou de uma cúpula da UE com Macron na semana passada, disse que ele havia testado positivo para coronavírus na sexta-feira.

 

Vários outros líderes europeus que também estiveram na cúpula disseram que se isolariam.

 

O estado mais populoso da Austrália, New South Wales, anunciou novas restrições a reuniões familiares e locais de hospitalidade para a área da Grande Sidney, em uma tentativa de conter um surto crescente ali.

 

Os moradores já haviam sido orientados a ficar em casa.



(foto: BBC)
(foto: BBC)

(foto: BBC)
(foto: BBC)

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade