UAI
Publicidade

Estado de Minas BUENOS AIRES

Juiz permite que parte da tripulação de avião venezuelano deixe a Argentina


01/08/2022 23:41

Um juiz que investiga desde junho a tripulação iraniana e venezuelana de um avião de carga que pousou em Buenos Aires autorizou a partida da maioria de seus integrantes, mas ainda retém sete pessoas na Argentina, segundo a imprensa.

O juiz federal Federico Villena, que havia ordenado a proibição de saída do país dos 19 tripulantes do avião da empresa venezuelana Emtrasur, devolveu o passaporte de 12 deles, mas decidiu manter o de quatro iranianos e três venezuelanos.

Segundo a decisão divulgada pela imprensa argentina, o juiz considerou que ainda há elementos para investigar os iranianos Gholamrez Ghasemi, apontado como membro da força Al-Quds; Mohammad Khosraviaragh, Saeid Vali Zadeh e Abdolbaset Mohamamadi, bem como os venezuelanos Mario Arraga, Víctor Pérez Gómez e José García Contreras.

O caso está relacionado à chegada à Argentina procedente do México, em 6 de junho, de um Boeing 747 que trazia um carregamento de autopeças e tinha uma tripulação de 14 venezuelanos e cinco iranianos. Sem poder abastecer em Buenos Aires devido a sanções dos Estados Unidos, o avião partiu para o Uruguai em 8 de junho, mas foi impedido de entrar naquele país e teve que retornar ao aeroporto de Ezeiza. A Justiça argentina iniciou uma averiguação e proibiu que os tripulantes deixassem o país.

O aparelho pertence à empresa Emtrasur, subsidiária da venezuelana Conviasa, sob sanção do Departamento do Tesouro americano. Ele foi comprado há um ano da companhia aérea iraniana Mahan Air.

A Argentina considera sensível a presença de viajantes iranianos, devido aos alertas vermelhos de captura contra ex-governantes daquele país pelo atentado contra o centro judaico Amia em 1994, que deixou 85 mortos e cerca de 300 feridos.

Há 10 dias, o chanceler iraniano, Hossein Amir Abdollahian, pediu ao representante diplomático argentino em Teerã a "suspensão imediata" da proibição de deixar o território decidida contra os tripulantes iranianos.

Antes da viagem à Argentina, o avião esteve no Paraguai em maio, de onde levou para a ilha caribenha de Aruba um carregamento de cigarros.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade