UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Nancy Pelosi confirma viagem à região Ásia-Pacífico, mas não cita Taiwan


31/07/2022 09:00

A presidente da Câmara de Representes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, liderará uma delegação do Congresso para visitar a região Ásia-Pacífico, confirmou seu gabinete neste domingo (31), sem mencionar, porém, uma parada em Taiwan.

A delegação de seis membros visitará Singapura, Malásia, Coreia do Sul e Japão, informou o gabinete de Pelosi em comunicado.

"A viagem se concentrará na segurança mútua, parceria econômica e governança democrática na região do Indo-Pacífico", segundo o comunicado.

"Nossa delegação realizará reuniões de alto nível para discutir como podemos continuar avançando em nossos interesses e valores compartilhados, incluindo paz e segurança, crescimento econômico e comércio, a pandemia de covid-19, a crise climática, direitos humanos e governança democrática", comentou Pelosi na nota.

As relações entre os Estados Unidos e a China passam por um período de tensão desde que foi levantada a possibilidade de Pelosi visitar Taiwan.

A China considera Taiwan, uma ilha de cerca de 23 milhões de habitantes, como uma de suas províncias, que ainda não foi reunificada com o restante de seu território desde o fim da guerra civil chinesa (1949).

O governo chinês se opõe a qualquer iniciativa que dê legitimidade internacional às autoridades taiwanesas e qualquer contato oficial entre Taiwan e outros países.

Na quinta-feira, o presidente Joe Biden e seu colega chinês Xi Jinping tiveram uma tensa conversa telefônica, com Xi dizendo a Biden que os Estados Unidos não deveriam "brincar com fogo" quando se trata de Taiwan.

Nessa mesma linha, o porta-voz da Força Aérea chinesa insistiu neste domingo que a defesa do território chinês é a "missão sagrada" do Exército.

"A Força Aérea tem firme determinação, total confiança e capacidade suficiente para defender a soberania nacional e a integridade territorial", declarou o porta-voz ao Diário do Povo, o meio de comunicação do Partido Comunista da China.

Desde 1979, os Estados Unidos reconhecem o princípio de "uma só China" com capital em Pequim. Não reconhece oficialmente Taiwan, mas apoia o território militarmente.

Na conversa por telefone, Biden assegurou que a posição dos Estados Unidos sobre Taiwan não mudou e que seu país se opõe aos "esforços unilaterais para modificar o status ou ameaçar a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan".

Esta semana, o Exército taiwanês realizou seus maiores exercícios militares anuais, que incluíram simulações de interceptação de ataques chineses a partir do mar.

Ao mesmo tempo, o porta-aviões americano USS Ronald Reagan e sua flotilha partiram de Singapura para o Mar da China Meridional, segundo a Marinha dos EUA.

E no sábado, em resposta, a China realizou um exercício militar com "munição real" no Estreito de Taiwan.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade