UAI
Publicidade

Estado de Minas LONDRES

Sunak lidera corrida para suceder o primeiro-ministro britânico Boris Johnson


14/07/2022 13:42

O ex-ministro das Finanças Rishi Sunak voltou à frente da corrida para suceder o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, após uma segunda rodada de votação para diminuir o número de candidatos para liderar o Partido Conservador do país.

Sunak, de 42 anos, recebeu 101 votos, novamente à frente da secretária de Estado do Comércio, Penny Mordaunt, que recebeu 83 votos. A chefe da diplomacia, Liz Truss, recebeu 64 votos.

A procuradora-geral do Estado, Suella Braverman, foi eliminada com 27 votos, enquanto o ex-ministro da Igualdade britânico Kemi Badenoch e o deputado Tom Tugendhat permanecem na disputa, com 49 e 32 votos, respectivamente.

Há outras votações agendadas para a próxima semana. O objetivo é que restem dois finalistas antes do recesso parlamentar em 21 de julho.

O resultado será anunciado em 5 de setembro, após uma votação por correio dos adeptos do Partido Conservador.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson renunciou em 7 de julho, encurralado por uma série de escândalos e depois que vários ministros de seu governo deixaram seus cargos, incluindo Rishi Sunak.

As pesquisas sugerem que Mordaunt pode vencer Sunak, Truss e os outros dois candidatos restantes na disputa, quando após o processo de eliminação, os militantes votam entre dois candidatos.

Mas essa reservista do Exército, que ocupa um cargo de secretária de Comércio de menor escalão que outros candidatos, é alvo de críticas de seus rivais.

O jornal Daily Mail a criticou por suas contradições em torno da questão trans, dizendo que, como ministra da Igualdade, ela apoiou as pessoas trans e, em seguida, assumiu uma postura mais conservadora sobre o assunto ao lançar sua campanha esta semana, de acordo com uma fonte próxima a Truss citada pelo jornal.

Outros adversários políticos a batizaram como "Part-time Penny", alegando que ela não levava seus deveres a sério. Um dos ataques mais duros veio do ex-ministro do Brexit David Frost, que serviu como seu superior nas negociações.

"Senti que ela não dominava as questões nas negociações" com Bruxelas sobre a Irlanda do Norte, disse ele.

O ex-ministro da Economia também não está isento de polêmica, depois de revelado o o status fiscal especial de sua esposa, o que permitia que evitasse declarar renda no exterior ao tesouro britânico.

Daily Mail


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade